Deseje amar alguém

Circundado pela beleza fértil da Sicília, algum poeta sentiu-se inspirado nas vésperas de um festival de noites em louvor a Vênus. Esse início de primavera poderia ser no século II ou IV, tanto faz, e meio às ruinas cantou em nada complicado 93 versos em tetrâmetros trocaicos cataléticos, uma celebração ao amor. A poeta (quem disse que a autoria deveria ser de um homem?) faz um canto processional recheado de referências mitológicas. Talvez fosse os últimos versos da civilização greco-romana, talvez fossem os primeiros versos românticos medievais.

O poema Pervigilium Veneris pode ser traduzido como Virgília de Vênus se você imaginar poetas boêmios almofadinhas ou Embalos da noitada de sexta-feira se você imaginar poetas boêmios de botecos sujos.

O poema convida Vênus para vestir-se com um vestido de flores tão grande quanto a planície do Etna. Talvez veio daí o Nascimento de Vênus de Sandro Botticelli.

O refrão Cras amet qui nunquam amavit; quique amavit cras amet relembra que, como a primavera, o amor volta.

Traduziria o refrão assim: “Ame amanhã quem nunca amou; e a quem ama ame amanhã.”

O poema foi descoberto pelo humanista Erasmo na biblioteca de Aldo Manuzio em Veneza. Em tempos de fanatismo quando o desejo de ódio era a norma, não foi prudente publicá-lo de imediato. Tal missão caberia ao huguenote Pierre Pithou já no final do século XVI, época quando calvinistas eram humanistas e menos puritanos.

Para o texto em latim e tradução de Milton Marques Junior, visite:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves