As escolas filosóficas gregas

Não bastassem tantos conceitos e nomes, a filosofia grega possui várias escolas. Para piorar, muitas de suas ideias chegaram até nós por terceiros ou em textos fragmentários. Por isso, é bom ter em mente (e próximo) este mapa e esboço das escolas de filosofia grega e romana. Convenientemente, dá para resumi-los em três grupos de sete conforme cada etapa na história das ideias.

Filosofia na era pré-socrática:

A descoberta da filosofia.

  • Escola jônica — milésios: discutiam a natureza do cosmo. Expoentes: Tales, Anaximandro, Anaxímenes de Mileto.
  • Escola jônica — efésios: consideravam o cosmo em fluxo e dinâmico. Expoentes: Heráclito, Crátilo.
  • Atomistas: tudo que existe é composto do rearranjo de partículas ínfimas. Também na região da Jônia, mas com outras perspectivas. Expoente: Demócrito.
  • Pitagóricos: proporção em tudo (matemática e música). Expoentes: Pitágoras, Ptolemaida de Cirene.
  • Eleáticos: dúvida dos sentidos (epistemologia) e concepção permanente e monista do cosmo. Expoente: Parmênides.
  • Pluralistas: reavaliação das questões cosmológicas dos jônios informado pelas críticas dos eleáticos. Expoentes: Anaxágoras, Empêndocles.
  • Sofistas: o homem é a medida das coisas. A verdade resume a discurso. Expoentes: Protágoras, Górgias, Hípias, Crítias, Aspásia.

Filosofia na era clássica

Enfim, Sócrates.

  • Platônicos e a Academia: seguidores de Platão. O conhecimento resulta de uma razão ideal.
  • Aristotélicos ou peripatéticos: seguidores de Aristóteles. Investigação sistemática de tudo o que for possível.
  • Outros socráticos: Xenofonte (pensamento político e didática). Fora ele, há Símias de Tebas e Cebes de Tebas, mas cujos pensamentos são praticamente desconhecidos.
  • Cirenaicos: hedonistas, acreditavam que o Bem residia em aproveitar os momentos prazerosos. Expoentes: Aristipo de Cirene (avô e neto).
  • Megários: desenvolveram a lógica. Expoente: Euclides de Megara.
  • Eretrianos: ou escola de Elis. Pouco se conhece dela. Aparentemente buscava compreender o Bem absoluto. Expoentes: Fedo de Elis e Menedemo de Eretria.
  • Cínicos: rejeição das convenções sociais em busca de uma simplicidade ascética na vida. Expoentes: Diógenes, Hipárquia.

Filosofia na era helenista

Um mundo plural.

  • Pirronismo: não dá para acreditar em nada. Suspensão do julgamento. Expoente: Pirro.
  • Céticos: valorizavam a dúvida acima do dogma. A Nova Academia dos platônicos questionava o dogmatismo. Expoente: Sexto Empírico.
  • Epicurismo: nega um propósito cósmico; portanto, o sumo Bem deriva-se de viver em busca do aprazível e de evitar o mal e a dor. Expoentes: Epicuro, Lucrécio.
  • Nova Sofística: renascimento da retórica, oratória e da dialética. Questionamento das certezas dogmáticas. Expoente: Luciano de Samósata.
  • Estoicismo: a harmonia com a natureza e a aceitação do destino. Expoentes: Zeno, Sêneca, Marco Aurélio.
  • Médio-platonismo e Neoplatonismo: o primeiro buscava unificar um princípio comum para o universo. Expoentes: Plutarco, judeus (Filo) e cristãos (Justino, Clemente de Alexandria). O segundo virou praticamente uma religião e enxergava uma só realidade mental (nous). Em comum, um raciocínio alegórico. Expoentes: Plotino, Hipátia.
  • Neopitagóricos: combinava matemática e práticas religiosas. Expoente: Apolônio de Tiana.

O QUE ERAM AS ESCOLAS FILOSÓFICAS?

Algumas pareciam com escolas mesmo: professores, currículo e normas disciplinares. Algumas escolas possuíam um local regular de ensino, como o bosque da Academia de Platão, o jardim Liceu de Aristóteles, o pórtico (stoa) dos estoicos. No período helenista surgiram bibliotecas e locais de discussão e instrução das escolas.

Por muito tempo pensava-se que as escolas filosóficas eram quase cultos, instituições religiosas formais em busca da sabedoria das musas. Mas a coisa é mais complicada. A interação com cultos iniciáticos e envolvimento na vida cívica (que incluía também a religião) fazia das escolas filosóficas algo como seitas. Não é de se admirar que o hermetismo e o gnosticismo situavam-se entre religiões e escolas filosóficas. No entanto, não eram associações cúlticas. Apesar disso, a lendária separação do mito e do logos que supostamente a filosofia grega fez é isso mesmo: uma lenda.

Uma escola normalmente começava como um agrupamento informal de discípulos ao redor de um filósofo. Nesses estágios iniciais, as fronteiras de identidade e crenças eram porosas, especialmente na filosofia pré-socrática e na primeira geração após Sócrates. Era normal discordar sobre questões centrais. Mais tarde, a lealdade ao grupo passou a ser cobrada e a reinterpretação dos ensinos dos mestres era mais importante que inovar nas discussões. Nem sempre os filósofos conseguiam formar escolas.

VEJA TAMBÉM

A escola de Atenas pintura célebre de Rafael retratando os filósofos.

3 respostas para ‘As escolas filosóficas gregas

  1. Ainda creio na busca do bem&bem e na eliminação do mau/mal.
    Textos dessa estirpe enobrece a escrita, o pensar, a fala e as ações humanas.
    Saudações acadêmicas
    Fatima Souza – Natal RN
    UFRN

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves