O Deserto dos Tártaros

Viver uma vida a um propósito que lhe foi atribuído pode ser inspirador — mas virá com perdas.

Cena do filme de Valerio Zurlini (1976)

O jovem oficial Giovanni Drogo assume com empolgação seu posto na fortaleza de Bastiani. A remota fortaleza estrategicamente guarda a fronteira, controlando uma passagem de montanha. Noutro lado da passagem está o inóspito deserto dos tártaros, de onde vem a ameaça.

Inicialmente Drogo veio com a intenção de servir nessa fronteira por quatro meses. Espera conseguir um posto melhor, mais próximo da cidade. Mas o tempo passa. Exceto pela expectativa do ataque tudo na fortaleza é monótono. Ao menos um ataque daria aos soldados a fama e glória.

A adesão mecânica às regras militares dá certo sentido. Mas também desumaniza. Quando um soldado sai para capturar um cavalo extraviado retorna, não lembra a senha. É abatido pelo sentinela, mesmo sendo reconhecido. Regras existem para serem cumpridas.

Drogo acomoda-se com essa vida. Enquanto vive para repelir um ataque e colher a glória, seus amigos e parentes tocam a vida na cidade. Amigos casam e têm filhos. Um dia viaja para a cidade, mas já não se sente mais parte dela.

Reduzem o contingente da fortaleza. Alguns colegas morrem, outros camaradas conseguem transferência. Sua posição perde importância. Drogo passa trinta anos nessa vida.

Ele se ilude, esse Drogo, com o sonho de uma vingança maravilhosa em alguma data remota. Ele acredita que ainda tem uma imensidão de tempo à sua disposição. Então ele desiste da luta mesquinha do dia a dia da existência. Chegará o dia, pensa ele, em que todas as contas serão pagas com juros. Mas enquanto isso os outros o ultrapassam, lutam ferozmente entre si, ultrapassam Drogo e não pensam nele. Eles o deixam para trás. Ele os observa desaparecer na distância, perplexos, presos de suas dúvidas habituais: será que ele realmente cometeu um erro? Talvez ele seja um mortal comum para quem apenas um destino medíocre está reservado? pp. 188-189.

Quando finalmente, após décadas de espera, os tártaros marcham, Drogo está enfermo. Demasiado velho para o combate, recebe ordens para deixar a fortaleza para dar espaço aos soldados mais jovens e ao novo comando. No trajeto para a cidade, morre sozinho em um albergue.

O livro lembra tanto Esperando Godot de Samuel Beckett e o filme (indevidamente esquecido atualmente) Dança com Lobos (1990) direção de Kevin Costner e baseado também em um livro, no caso de Michael Blake. A ansiedade da espera, o tédio da rotina, a crença que há algo maior são temas comuns a essas obras. Do mesmo modo o autor, o italiano Dino Buzzati (1906-1972), conseguiu apreender nessa estória as prisões institucionais e psicológicas da modernidade. Jornalista, Buzzati teria concebido o romance durante as jornadas noturnas no diário onde trabalhava.

É de dar dó a vida perdida de Drogo. É similar à ansiedade daqueles que vivem esperando uma ilusória dominação tramada em uma cabal para destruir a família, a pátria e a fé. Mal percebem que ao elegerem a prisão dessa ansiedade abrem mão de muito do convívio desta mesma família. A pátria os dispensará quando não forem mais úteis e direcionaram a fé para algo vazio. A cada “guerra cultural” esperam triunfar, mas sabe lá seus destinos. Também é similar à espera daqueles que condicionam sua plenitude da vida a um evento que está por vir. Repetem para si o mantra “quando conseguir isso ou aquilo, então estarei bem”. Focados no produto, esquecem do processo.

SAIBA MAIS

Buzzatti, Dino. The Tartar Steppe. Canongate Books, 2012.

Uma resposta para “O Deserto dos Tártaros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves