A independência do conhecimento científico

O caso da astronomia japonesa e sua geodésia aplicada ilustram o caráter independente do conhecimento científico.

Durante os quase dois séculos e meio em que o Japão foi isolado à força, os astrônomos japoneses foram capazes de chegar às mesmas conclusões que seus pares no mundo exterior. Esse capítulo fantástico da história da ciência demonstra como o conhecimento científico é real e independente dos gostos pessoais.

A política sakoku do xogunato Tokugawa fechou o Japão durante o período Edo (de 1603 a 1868). O comércio entre o Japão e outros países foi severamente limitado. Basicamente, apenas mercadores chineses e holandeses podiam ancorar em portos selecionados. Praticamente todos os estrangeiros foram proibidos de entrar no país, enquanto os japoneses não podiam sair da nação.

Sob essa política dura, a classe acadêmica consumiu avidamente todos os avanços científicos e tecnológicos. Dada a raridade de tal divulgação científica, os sábios podiam dedicar tempo a um único tópico, dominando-o completamente. O conhecimento estrangeiro, chamado rangaku, tornou-se nativo.

Um fator para o conhecimento científico tornar-se nativo foi que as novidades chegavam de forma incompleta. Muitos dos novos aparelhos careciam de instruções. Os conceitos científicos eram mal traduzidos. Para piorar, a literatura técnico-científica era geralmente traduzida por leigos ou indiretamente via o chinês ou outros idiomas. Por esse motivo, os estudiosos japoneses tiveram que trabalhar duro, com muitas lacunas, experimentos e suposições para chegar a conclusões um tanto úteis e válidas.

E o astrônomo Asada Gōryū (1734–1799) trabalhou com afinco. Asada, estudou livros obsoletos, corrigiu e propôs muitos modelos matemáticos para explicar discrepâncias no calendário e astronomia japoneses. Ele, com seus colegas e alunos Hazama Shigetomi (1756–1816) e Takahashi Yoshitoki (1764–1804), redescobriram de forma independente as Leis de Kepler. Takahashi montou um observatório, iniciou os cálculos para predição de eclipse e de posicionamento dos corpos celeste e um projeto de reforma do calendário japonês.

Um dia um homem de 52 anos veio caminhando de uma vila distante até o observatório. Ele era Inō Tadataka (1745–1818) e estava interessado em determinar o verdadeiro comprimento de um arco meridiano. Takahashi explicou ao entusiasta que mesmo aquela distância que havia percorrido era ainda  muito curta para fazer qualquer inferência. Inō pediu a Takahashi para admiti-lo como seu pupilo para que mais tarde pudesse atravessar o Japão produzindo uma medição acurada.

O xógum autorizou Inō a mapear o Japão. Com recursos próprios, Inō dedicou 16 anos a medir o território japonês. Seus instrumentos eram básicos, senão rudimentares. Todavia, seu método de contar a distância de caminhada e triangular sua posição com as estrelas observadas provou ser bem preciso. Ele morreu antes de publicar seu trabalho completo, mas seus assistentes terminaram a tarefa. Os mapas de Inō geralmente tinham a incrível precisão em um índice de 1/1000. Seus dados foram valiosos para a topografia e registros cadastrais. A maior parte de seu atlas, chamado de Inō-zu, permaneceu como referência até 1924. Ainda hoje são consultados com proveito e a geodesia de Inō prova-se correta.

Mapear o céu e a terra com tanta precisão foi possível aos sábios japoneses porque eles sabiam que a terra não era plana. Obviamente.

SAIBA MAIS

Admiring Scientists’ Unquenchable Spirit of Inquiry in the Edo Period.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves