Bilac: Língua portuguesa

Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela…

Amo-te assim, desconhecida e obscura,
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela
E o arroio da saudade e da ternura!

Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

Em que da voz materna ouvi: “meu filho!”
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!

A língua portuguesa é um consolo. Dela vem a amargo-doce saudade de uma diáspora. Sentimos a solidariedade de outras línguas-irmãs ibéricas. Comungamos com a lusofonia de todos os continentes. Permitiu que hoje nos encantemos com o papiá kristang, papiamento, crioulos do Golfo da Guiné, portuñol platino e outros frutos de uma aventura global. É a língua de subalternos que subverteram colonizadores. É o que faz rirmos das mesmas velhas piadas juntos de angolanos, portugueses e brasileiros. É uma língua da esperança, do Quinto Império e do Encoberto.

Uma boa lembrança dessa data pela minha esposa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves