A perspectiva do Outro

country_blind-2-xilog-clifford_webb-ed1939

Sendo o homem (e os primatas) um animal eminentemente orientado pela visão, a cegueira é representada, de uma forma geral, como uma desvantagem inerente. As representações variam: desde a fábula dos cegos e do elefante até a alegoria da caverna a cegueira é retratada no trope de como a falsa percepção engana. O Ensaios sobre a cegueira (199 ) de José Saramago mostra o desespero ocasionado por uma epidemia de cegueira.

Duas exceções notáveis a esse trope quase clichê são Tirésias na mitologia grega e o conto A terra dos cegos de H.G.Wells.

Tirésias era um paradoxo: sendo cego, era vidente e  um dos helenos mais lúcidos. Por um encanto, o tebano Tirésias passou alguns anos de sua vida em um corpo de mulher e depois retornou a ser homem. Com essa experiência, foi convocado para a ingrata posição de árbitro em uma disputa entre Zeus e Hera. A resposta de Tirésias na guerra dos sexos não agradou: Hera tirou-lhe a visão e Zeus deu-lhe a longevidade por sete gerações.

Outras versões creditam a Atena à cegueira e à perspicácia de Tirésias. Teria sido punido por espiar a deusa tomar banho. Mas, com uma vida tão longa, figurou como personagem em vários mitos, de Édipo a Hércules, passando por Ulisses. Foi o único mortal a ver a era heroica da Grécia. Não é à toa que os gregos cunharam o termo ‘ironia’…

O conto de H.G. Wells retrata a peripécia de Nunez que chega a uma terra de cegos, um remoto e inacessível vale andino. Ao perceber que era o único a ver, acha que a máxima “em terra de cegos, quem tem um olho é rei” vai render-lhe vantagens. Mas, como outro explorador em um mundo perdido, Daniel Dravot de O Homem que Queria Ser Rei de Kipling, os nativos dão-lhe um tratamento à altura da ambição. Curam Nunez daquele defeito, as protuberâncias na cavidade ocular.

Outro explorador entre nativos, o missionário-linguista Kenneth Pike (1912 – 2000), por longo tempo presidente do Summer Institute of Linguistics, reconheceu a distinção entre as perspectivas emic e  etic.

Pike, retirando os termos da distinção entre fonÊMICo e fonÉTICo, percebeu que essa distinção poderia ser aplicada a outras categorias culturais além da linguagem. O emic seria os sentidos dos sons (e outros traços culturais) compreendido por sua comunidade de uso. Já o etic seria a descrição feita pelo externo, um cientista ou observador alheio à comunidade. Para Pike, somente nativos produziriam uma descrição emic acurada enquanto observadores externos seriam os capacitados para uma análise etic. Outros antropólogos, notavelmente Ward Goodenough e Marvin Harris (adeptos, respectivamente, da etnometodologia e do materialismo cultural), adotaram rapidamente o conceito e argumentaram que tanto nativos e estranhos à comunidade são igualmente capazes de fazer análise emic e etic, com próprio treinamento e reflexão.

Com esse método, um passo adiante do relativismo cultural boasiano, a distinção emic/etic transcendeu as questões epistemológicas de subjetividade e objetividade que atormentava os antropólogos dos anos 1950. Como Tirésias, antropólogos por participação-observante tomam o lugar do Outro e, mesmo cegos a alguns aspectos, conseguem vislumbrar coisas que videntes não. Entretanto, há limites para esses observadores. Como Nunez, os antropólogos não devem tirar vantagens ou sentirem-se superiores à comunidade estudada. Por vezes, seus olhos são defeitos em seu trabalho de campo.

One thought on “A perspectiva do Outro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves