O Mandarim

O dilema do mandarim

No fundo da China existe um mandarim mais rico que todos os reis de que a fábula ou a história contam. Dele nada conheces, nem o nome, nem o semblante, nem a seda de que se veste. Para que tu herdes os seus cabedais infindáveis, basta que toques essa campainha, posta a teu lado, sobre um livro. Ele soltará apenas um suspiro, nesses confins da Mongólia. Será então um cadáver: e tu verás a teus pés mais ouro do que pode sonhar a ambição de um avaro. Tu, que me lês e és um homem mortal, tocarás tu a campainha?

Há obras raras que retratam tão bem uma época quanto abordam temas atemporais. Uma delas é O Mandarim de Eça de Queiroz (1845-1900) que retrata tanto as maravilhas de um fin-de-siècle com tecnologias globais quanto os dilemas da moralidade de agir eticamente sem ser observado. O protagonista Teodoro é o único personagem cujas ações se desdobram através da narrativa. No meio do dilema desse Fausto moderno, até o nome dele é simbolicamente irônico: Teodoro significa “dádiva de Deus”, só que em Deus ele não crê, ainda que seja devoto de Nossa Senhora.

Esse amanuense mal-pago tem sua vida transformada quando encontra um livro misterioso com a proposta de possuir tudo que desejasse: dinheiro, fama e mulheres. Tudo isso por um preço módico, a vida de um homem distante, um mandarim na China imperial.

A vida de Teodoro assemelha com a de outros trabalhadores de escritório antes das máquinas de escrever, copiadoras e computadores. Flaubert, grande influência sobre Queiroz, escreveu nessa época o romance cômico Bouvard et Pécuchet, no qual dois amanuenses que enriquecem rapidamente decidem gastar o tempo da bonança copiando à mão todo o conhecimento disponível. Outro entediado copista, Bartleby, o Escrivão, de Herman Melville, retrata a angústia da depressão até a morte. No Brasil, Lima Barreto mistura registros autobiográficos e ficcionais de uma vida sem grandes expectativas de um amanuense em suas Memórias do Escrivão Isaias Caminha. Ainda tivemos O Amanuense Belmiro, o velho profissional da tristeza de Cyro dos Anjos. Em suma, na época ser amanuense era o subemprego sem graça do letrado.

Em uma narrativa dentro de uma peça, o autor-narrador explica o propósito da história, “repousemos do áspero estudo da realidade humana”.

O impacto da modernidade é retratado nessa novela pelas finanças internacionais, logística transoceânica e imperialismo da virada do século. Todavia, Eça de Queiroz não poderia imaginar que um dia seria possível determinar a vida e a morte de alguém bastando apertar um botão. A questionável moralidade dos drones militares parece caber aqui.

Singular entre os escritores de expressão portuguesa do século XIX, Eça ambienta sua história em diferente locais na Europa e na Ásia, em um frenético ritmo de aventura. O enredo inicia em Lisboa, desenvolve em Paris, atinge um clímax na China para se resolver na Europa. A variedade de cenários resulta tanto das viagens de Eça no serviço diplomático, mas também de um gênero em voga, o das descobertas e aventuras. Eram os tempos de Jules Verne e Edgar Burroughs (lembrem-se que Queiroz traduziu As minas do Rei Salomão desse escritor). À época da primeira edição do livro em 1880, Eça de Queiroz já tinha sido diplomata acreditado em muitos lugares da narrativa: da sede de negócios estrangeiros em Lisboa, até Paris e a China.

Ao ler o excerto acima, uma figura sinistra do tipo de Mefístoles aparece junto de Teodoro vestida como um homem de negócios. Com argumentos sutis, a aparição incita-o a soar a campainha. E ele o faz.

Alguns dias mais tarde, Teodoro herda uma fortuna de um oficial chinês desconhecido a quem, suspeita, matara a distância. O ex-escrivão muda-se para uma mansão e rapidamente se torna parte da elite portuguesa. Sutilmente, Teodoro abomina tanto a aristocracia decadente quanto o clero materialista que o incomoda demandando dinheiro. Mas sua alma não encontra mais a paz.

* * *

Provavelmente Eça escutou a expressão quando esteve em Paris ou lera em Balzac. A premissa de um “bouton du mandarin” é encontrada em vários autores do Iluminismo, embora haja raízes em Aristóteles, conforme aponta o Carlo Ginzburg (1994). O historiador italiano aponta por exemplo Diderot o qual sarcasticamente observou “sentimos compaixão por um cavalo que sofre, mas esmagamos uma formiga sem nenhum escrúpulo” e culpa a nascente burocracia para tratar com frieza o diferente e o distante. Adam Smith propôs uma variante em sua Teoria dos Sentimentos Morais (1790:136-137) como um experimento mental para por em teste a ética em uma situação na qual o estranho padece. Ginzburg esclarece que a parábola do assassinato do mandarim foi atribuida a Rousseau por um personagem de Balzac, mas na forma canônica deve-se ser creditada François-René de Chateaubriand O gênio do cristianismo (1802). Outros pensadores, de Hume a Walter Benjamin, abordaram essa parábola. Mas, como mencionado, foi Balzac quem consagrou esse conto, atribuindo-o erroneamente a Rousseau em O Pai Goriot (1835).

No romance integrante da série A comédia humana os personagens Rastignac e Bianchon, dois estudantes universitários em Paris, se encontram e travam um diálogo. O ambicioso Rastignac inicia a provocação moral ao sensato Bianchon:

–– Estás rindo sem saber de que se trata. Leste Rousseau?

— Sim.

— Lembras-te dessa passagem onde ele pergunta ao leitor o que faria caso pudesse enriquecer matando na China por vontade própria um velho mandarim, sem se mexer de Paris.

— Sim.

— E então?

— Ora! Já vou no trigésimo terceiro mandarim.

— Não brinques. Vamos, se te provassem que tal é possível e que bastaria fazeres um sinal com a cabeça, fá-lo-ias?

–Já tem bastante idade, o mandarim? Mas, ora! Novo ou velho, paralítico ou de boa saúde, pois bem… Que diabo! Não.

O crítico e tradutor literário húngaro-brasileiro Paul Rónai era fascinado por Balzac e, sobretudo, por essa passagem. Em 1930 publicou um artigo sobre o assunto, deu palestras sobre o assunto em São Paulo (1945), Petrópolis (1948), Neuchântel (1964), Sorbonne (1964), além de editar e traduzir O Pai Goriot de Balzac, o conto de mesmo assunto de Arnold Bennet e escrever um artigo em O Estado de São Paulo (25/10/1945). Para o literato, o dilema do mandarim atencede a negociação entre a indiferença e a consciência, tema que aparece em outros autores, como Dostoievski, sobre realizar um crime sem remorso em contraste com o remorso sem crime.

SAIBA MAIS

BALZAC, Honoré de. O Pai Goriot. 1835.

BENNET, Arnold. O assassínio do mandarim [The murder of the mandarin]. 1907.

KEATES, Laurence W. “Mysterious Miraculous Mandarin: Origins, Literary Paternity, Implication in Ethics”. Revue de littérature comparée. 40:4 (1966), 497-525.

GINZBURG, Carlo. “Uccidere un mandarino cinese: le implicazioni morali della distanza”.  Occhiacci di legno: nove riflessioni sulla distanza. Feltrinelli: Milão, 1998.

RÓNAI, Paul. “Tuer le Mandarin”. Revue de littérature comparée. 10 (1930), 520-523.

QUEIROZ, Eça de. O mandarim. 1880.

VEJA TAMBÉM

O experimento de obediência de Milgram

Rawls e o véu de ignorância

                                                              Atualizado em 13/07/2018

2 respostas para ‘O Mandarim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

About leonardomalves