George Washington: Sobre os Partidos Políticos

301dc6545a332680bde0f16c3946a361

Para a eficiência e estabilidade da União, um governo para todos é indispensável. Nenhuma aliança, ainda que restrita, entre as partes pode substituir [esse governo  geral]. Inevitavelmente passarão pela experiência das violações e interrupções que sempre as alianças passam. Considerando essa verdade certeira, já melhoraram desde a primeira tentativa, pela adoção de uma constituição de um governo melhor calculado que o anterior, fundado em uma união mais íntima e em uma gestão mais eficiente dos interesses comuns. Esse governo, fruto de sua escolha, sem influências e sem temores, adotou depois de uma completa investigação e deliberação madura, completamente livre em seus princípios, a distribuição de poderes. Unem-se a segurança com a energia e dentro de si mesmo provê meios para sua própria correção. Tem uma base justa para a confiança e apoio. Respeito por sua autoridade, cumprimento de suas leis e ponderação em suas medidas são deveres adotados pelas máximas fundamentais da verdadeira liberdade. A base de nosso sistema político é o direito das pessoas de fazerem e alterarem suas constituições de governo. Mas a Constituição a qual existe em qualquer tempo, até mudar por um ato explícito e autêntico de todo o povo, é sacramente obrigatória a todos. A precisa ideia de que o poder e o direito de o povo estabelecer um governo pressupõe o dever de cada indivíduo obedecer o governo estabelecido.

Todos os obstáculos para a execução das leis, todas as combinações e associações, sob qualquer característica plausível, com o projeto real para dirigir, controlar, combater ou aterrorizar a deliberação e ação das autoridades constituídas regularmente são destrutivos a esse princípio básico. E são de uma tendência fatal. Servem para organizar facções, para dar-lhe uma força artificial e extraordinária; para colocar, no lugar do representante da vontade da nação a vontade de um dos partidos, uma pequena mas engenhosa e empreendedora minoria da comunidade. E, de acordo com os triunfos alternados de diferentes partidos, tornam a administração pública o espelho dos projetos mal arranjados e incongruentes do partido, ao invés de o órgão de planos consistentes e saudáveis amadurecidos pela deliberação comum e modificado por interesses mútuos.

Embora as combinações ou associações da descrição acima podem agora e, em seguida, responder os anseios populares, que são susceptíveis, no decorrer do tempo e as coisas, para se tornar mecanismos potentes, pelos quais os homens astutos, ambiciosos e sem escrúpulos terão forças para subverter o poder do as pessoas e para usurpar para si as rédeas do governo, destruindo depois os próprios mecanismos potentes que os tenham levantado ao senhorio injusto.

Para a preservação do governo, e a permanência de um feliz Estado do presente, é necessário, não só um desprezo firme às oposições irregulares à autoridade reconhecida, mas que se resita com cuidado o espírito de inovação sobre esses princípios [constitucionais], não importa sob quais pretextos. Um método de ataque seria a de realizar, nas formas da Constituição, alterações prejudiciais às forças do sistema, e assim, minar o que não pode ser derrubado diretamente. Em todas as mudanças que possam aparecer, lembrem-se que o tempo e o hábito são pelo menos tão necessário para consertar o verdadeiro caráter de governos como de outras instituições humanas. Essa experiência é o mais certo padrão para testar as tendenciosidades da constituição efetiva de um país existente. Essa facilidade para mudanças, fundada em mera hipótese e opinião, põe ao risco de perpétua mudança, a partir da infinita variedade de hipóteses e de opiniões. Lembrem-se, especialmente, de que a gestão eficiente dos interesses comuns, em um país tão extenso como o nosso, um governo de tanto vigor é indispensável para a segurança da liberdade. A própria liberdade vai encontrar em tal governo, com poderes adequadamente distribuídos e ajustados, seu guardião certo. É a liberdade, na verdade, pouco mais do que um nome onde o governo é fraco demais para suportar as investidas dos facciosos, para limitar cada membro da sociedade dentro dos limites prescritos pelas leis e para manter tudo no usufruto seguro e tranquilo dos direitos da pessoa e da propriedade.

Já os alertei do perigo dos partidos no Estado, com particular à fundação deles em critérios geográficos. Deixa-me apresentar uma visão mais abrangente e avisá-los da maneira mais solene contra os efeitos perniciosos do espírito de partidarismo em geral.

Este espírito, infelizmente, é inseparável da nossa natureza, tendo a sua raiz nas mais fortes paixões da mente humana. Ele existe sob diferentes formas em todos os governos, mais ou menos abafado, controladas ou reprimidas; mas, nas de forma popular, ele é visto em sua maior grandeza, e é verdadeiramente o seu pior inimigo.

A dominação alternativa de uma facção sobre outra, aguçada pelo espírito de vingança, natural à dissensão partidária, que, em diferentes idades e países perpetraram as piores atrocidades, é em si um despotismo assustador. Mas isso leva por fim a um despotismo mais formal e permanente. Os distúrbios e misérias que resultam gradualmente inclina as mentes dos homens a buscar a segurança e repouso no poder absoluto de um indivíduo. Mais cedo ou mais tarde, o chefe de alguma facção predominante, mais confiável ou mais afortunada do que seus concorrentes, direciona essa disposição para sua própria elevação, sobre as ruínas da liberdade pública.

Sem olhar a uma extremidade desse tipo (que, no entanto, não deve ser totalmente fora das vistas), os males comuns e contínuos do espírito de partidarismo são suficientes para torná-lo interesse e dever de um povo sábio para desencorajá-lo e contê-lo.

O partidarismo serve sempre para distrair as assembleias públicas e enfraquecer a administração pública. Agita a comunidade com ciúmes infundados e alarmes falsos, acende a animosidade de um partido contra outro, fomenta ocasionalmente distúrbios e insurreição. Abre a porta para a influência e corrupção estrangeira, que encontra um acesso facilitado ao próprio governo, através dos canais de paixões partidárias. Assim a política e a vontade de um país estão sujeitos à política e vontade de outro.


Discurso de despedida de George Washington da presidência dos Estados Unidos em 1796. Conselhos tão sábios quanto contemporâneos.

Uma resposta para “George Washington: Sobre os Partidos Políticos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves