Micro-Usinas Sem Represas: alternativa sustentável para Belo Monte

Filmmaker James Cameron in Brazil

O plano de construir a Usina Hidorelétrica de Belo Monte no Rio Xingu, Pará causa controvérsias pelo seu impacto sócio-ecológico. A área atiginda pela barragem cobriria cerca de 500 km2, inundado um ecossistema único e tirando meios de subsistências para as populações indígenas e caboclas que habitam a região.  Por outro lado os 26 milhões de habitantes do Norte e Meio-Norte brasileiro seriam beneficiados pela rede elétrica. Grandes corporações como a Vale do Rio Doce, que detém concessão extrativa na província mineral do Carajás, é um das que vão lucrar com a eletricidade gerada em Belo Monte.

Recentemente o diretor de cinema James Cameron, cujo filme Avatar aborda confrontos culturais e ambientais, reuniu-se com liderança indígenas do Xingu para chamar atenção à causa da população nativa.

Os Kayapós locais vivem de caça, pesca, coleta de raízes e frutas e pequenas roças. Para garantir suas sobrevivências, são necessárias migrações periódicas, assim a noção de territorialidade kayapó é distinta da sociedade ocidental. O modo de vida tradicional  Kayapó funciona sem o uso de energia elétrica. Desalojá-los para uma reserva indígenas, ou simplesmente idenizá-los com dinheiro de branco, provocaria um etnocídio.

Há outras maneiras de aproveitar a energia hidráulica das bacias Xingu-Amazônica. Ao invés de construir mega-usinas poderia aproveitar a corrente, ondas e marés dos rios (que são verdadeiros mares pelo volume de água) e da região costeira como fontes energéticas através de várias micro-usinas sem represas.

Similares aos moinhos de vento das usinas eólicas, as turbinas axiais diferem das hidroelétricas convencionais por sua posição em uma coluna vertical e não precisar de represamento de água. Há também projetos de turbinas flutuantes e geradores lineares. Uma vantagem de ter várias usinas pequenas estrategicamente distribuídas pela amazônia seria poupar as perdas de transmissão, instalando-as próximos dos locais de consumo.

Além do rio, o mar também é fonte energética. Estrategicamente localizada no equador, a área entre a delta do Amazonas até São Luís do Maranhão possui a maior amplitude de marés de toda costa atlântica das Américas: são 90 cm. É a energia maremotriz que poderia ser aproveitada com impacto ecológico menor e sem precisar interroper a vida das pessoas. E os custos de construção são bem reduzidos.

Por já existir a tecnologia, os custos serem menores, os impactos sociais e ambientais reduzidos a implantação de micro-usinas sem represas talvez seja a única solução viável. É uma proposta válida de ser considerada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves