Algumas notas sobre Max Weber

 

O trabalho de Max Weber, dotado de uma metodologia rigorosa e uma interpretação profunda, sobreviveu às frenéticas mudanças sociais do longo século XX e mantém-se atual. Nestas notas biográficas também se esboça as principais ideias desse notável jurista, economista e sociólogo.

Vida

Max Weber (1864-1920) nasceu em uma família de classe média alta em Erfurt, Alemanha. Seu pai, o austero Max Sr. era um jurista e político local e sua mãe era uma devota pietista. Seu irmão Alfred também se destacaria como cientista social. Casou-se em 1893 com sua prima distante Marianne Schnitger (1870-1954), uma inteligente autora feminista que mais tarde cuidaria de publicar seus escritos.

Max foi um aluno brilhante. Da admissão à universidade até sua livre-docência levaram apenas nove anos. Estudou direito nas universidades de  Heidelberg, Göttingen e Berlim. Além das disciplinas jurídicas, estudou disciplinas  de teologia, economia e história medieval. Foi admitido ao Referendbar (semelhante à OAB do Brasil) em 1886 e continuou seus estudos doutorando-se em 1889 e adquirindo a  Habilitationsschrift (livre-docência) em 1891, ambos em direito. Como professor lecionou em Heidelberg, Viena e Munique.

Filosoficamente, vemos em Weber influências de Kant e Nietzsche. De Kant, Weber pressupunha que todo humano é dotado do desejo assumir consciência. De Nietzsche veio seu pessimismo em relação ao mundo. O uso de tipos ideais refletem também a influência do idealismo alemão em Weber.

Com seu sociólogo contemporâneo Werner Sombart (1863 – 1941), Weber dividia interesses e teorias, como buscar as origens do capitalismo e sua relação com minorias religiosas. Ambos defendiam o princípio de entendimento (Verstehen ou metodologia compreensiva) nas ciências sociais. Outro colega com quem Weber trocou influências foi o teólogo Ernst Troeltsch (1965-1923), visível na correlação entre a moral puritana e o capitalismo.

Weber viveu em um período de rápida transformação: o estabelecimento de um serviço público nacional, a acelerada industrialização e mudança dos modos de vida tradicionais, a modernização do eficiente exército prussiano refletindo na burocratização da recém-unificada Alemanha. Ciente dessas alterações, conduziu pesquisas pioneiras de economia agrária, aplicando estatística e trabalho de campo.

Pelas experiências anteriores, Weber tornou-se ativista social, participando do Congresso Social Evangélico a partir de 1890 junto a Adolf Harnack, Friedrich Naumann, Adolf  Stoecker e outros líderes do movimento do Evangelho Social na Alemanha. A atividade política de Weber levou-o a tentar fundir sem sucesso os liberais e social-democratas em um único partido em 1912. Embora suas concepções políticas evoluíram durante sua vida, sempre defendeu o fim da influência dos Junkers, a nobreza latifundiária e militar, em benefício da classe média e a inversão do capital em corporações financeiro-industriais ao invés de em terras. Propôs uma reforma agrária nas regiões orientais  do Império Alemão (Prússia, Pomerânia, Silésia) dominada por grandes latifúndios dos Junkers e com pouca população. Nacionalista, usou seus conhecimentos jurídicos e sociológicos para defender a Alemanha no Tratado de Versalhes e na elaboração da Constituição de Weimar.

Difundiu seus trabalhos em forma de artigos além de A ética protestante e o espírito do capitalismo, o único livro publicado em vida.

Morreria em Munique de pneumonia em consequência da gripe espanhola.

A ética protestante e o espírito do capitalismo

Este ensaio, obra resultante de vários artigos escritos entre 1904-1905, é uma resposta econômico-sociológica a uma questão prevalecente no século XIX: por que as nações protestantes eram as mais ricas da época?

Respostas pré-científicas eram enviesadas, inflamando ânimos: os protestantes defendia um providencialismo, Deus os favorecia e protestantismo era visto como progresso. Os católicos viam o sucesso capitalista e industrial protestante como oriundos da avareza.

Em uma leitura de A ética protestante e o espírito do capitalismo, podem-se selecionar quatro tópicos como centrais para explicar o desenvolvimento do capitalismo entre os protestantes, são a ideologia, a rede de relacionamentos, a austeridade e a racionalidade.

Ideologicamente, os protestantes passaram a ver o trabalho como uma benção, cada um deveria perseguir sua vocação. Todo trabalho é digno, não importa se braçal ou intelectual. Enquanto a ética de trabalho católica primava pelo trabalho intelectual enquanto menosprezaria os ofícios mecânicos. O lucro e os juros, tidos como maléficos e injustos no catolicismo romano medieval, passou a ser legítimo com o protestantismo. Esse conjunto de mentalidades e valores seria o que Weber chama de Geist, o espírito do capitalismo.

A rede de relacionamentos (networking) das pequenas seitas protestantes garantiram confiança em épocas turbulentas da Europa. O crédito cresceu, o corporativismo sectário levaria a fundação de grandes companhias comerciais na Holanda e Inglaterra. Um ponto a ser adicionado seria a possibilidade de fazer negócios com correligionários em diversos países, com a crença transcendendo vínculos étnico-nacionalistas.

A austeridade de algumas vertentes protestantes também foi influente na gênese do capitalismo. Weber destaca os puritanos calvinistas, os pietistas, os anabatistas e quakers – levam ao desapego pelo luxo, dando alta valia para a modéstia. Assim, rejeitavam o mundo. As diversões e ostentações seriam vaidades. Deste modo o capital não é consumido, é reinvestido.

Quanto à racionalidade, seguindo a linha de pensamento de Weber a emergência da cosmovisão protestante levou a rejeição de um providencialismo típico do catolicismo medieval. Os fenômenos teriam causas naturais, as quais poderiam ser compreendidas racionalmente sem apelar para o divino. Dessa forma, a economia passou a ser vista como um ato racional e calculado.

Esse magnífico ensaio de Weber influenciou tanto que muitos interpretam e creem que o próprio João Calvino igualava predestinação com sucesso, sobretudo o financeiro. Mas não. Weber destaca a ética de trabalho protestante, principalmente a calvinista, como uma força atuando de forma não-planejada sobre o desenvolvimento do capitalismo. A busca de segurança psicológica teria feito os calvinistas prosperarem.

A tradução Talcott Parsons (Scribner, 1958) é a mais célebre versão inglesa (embora a escolha de muitos vocábulos fora infeliz, como traduzir o termo alemão Taufer em inglês baptist, enquanto o preferível seria anabaptist), enquanto em português considero a tradução de Antonio Flávio Pierucci  (Companhia das Letras, 2004)  a melhor.

Outras influências

Weber deixou outros legados, como o conceito de “tipos ideais”, como os modelos de dominação: tradicional, carismática e legal-racional. A dominação seria a forma legítima de aceitar imposição coerciva sem contestação.

Também visionou a organização burocrática. A burocracia para Weber baseava-se na eficiência, separando o cargo e a pessoa (impessoalidade), limites das ações pelas normas escritas, valorizando a meritocracia que seria aplicada às empresas quanto ao Estado. Weber possuía uma visão crítica do Estado que, para ele, teria o “monopólio de violência” sobre seu território. O Estado baseado pela autoridade tradicional levaria ao patrimonialismo, no qual os bens públicos se confundem com os bens pessoais. Dessa forma, Weber propôs a burocracia estatal como meio de racionalizar o Estado.

No campo da teoria sociológica, Weber defendeu o antipositivismo metodológico, o Verstehen, buscando o sentido dos fatos sociais ao invés de uma compreensão empirista típica do cientificismo do final do século XIX.

Weber, por defender a isenção do cientista social do ativismo político, permitiu a consolidação do sociólogo como profissional. Antes dele, Marx e Comte só viam a empregabilidade da análise social na transformação da sociedade e assim, indistinguível suas sociologias da ideologia. Weber queria autonomia intelectual, manter-se afastado do controle prussiano e apresentou o sociólogo como neutro, oferecendo seu conhecimento para diferentes aplicações.

O foco da sociologia de Weber era a ação social, atos dotados de significados para seus agentes. Usando sempre alguma tipologia, as ações sociais seriam identificadas pelos seus fins, tradição, valores e afeição. Com o conceito de ação social, Weber tentava explicar as transformações de seu mundo, lançando mão de dados históricos (daí o historicismo) para dar um sentido à modernização do capitalismo industrial. Nessa conjuntura, Max previa um “desencantamento com o mundo” tradicional em benefício de ações cada vez mais racionalizadas.

Pelos exemplos acima, vemos o porquê que a obra e atuação de Weber, diferente dos também notáveis trabalhos de Comte e Marx,  permitiu que as ciências sociais se estabelecessem de forma sólida na academia. Ao invés de buscar leis em fenômenos sócio-humanos, Weber visa a interpretação baseada em pesquisa rigorosa, não baseada na divagação. Obviamente muitos dos conceitos de Weber passaram por críticas e aggiornamento, todavia permanecem merecidamente nos cânones das ciências sociais.

Bibliografia de Weber

WEBER, Max. A situação dos trabalhadores rurais na Alemanha nas províncias do Além-Elba [1892]. In: José  Graziano da Silva e Verena Stolcke (org.). A Questão Agrária – Weber, Engels, Lenin, Kautsky, Chayanov, Stalin. São Paulo: Brasiliense, 1981, p. 13-57.

WEBER, Max. Max Weber: sociologia (Gabriel Cohn org.). São Paulo: Ática, 1982.

WEBER, Max. Ciência e política, duas vocações. São Paulo: Cultrix, 1972.

WEBER, Max. Economia e Sociedade: Fundamentos da Sociologia Compreensiva. Brasília, DF: Editora da Universidade de Brasília, 2004.

WEBER, Max. Rejeições religiosas do mundo e suas direções [1915]. In: Ensaios de Sociologia (H.H. Gerth e C. Wright Mills org.). Rio de Janeiro: Guanabara, 1982.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo [1905]. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

WEBER, Max. Ensaios de sociologia e outros escritos. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Os pensadores, 37).

WEBER, Max. La Russie en marche vers la pseudo-démocratie [1917]. Revue Française de Sociologie, XXX, 3/4, 1989, p.621-637.

WEBER, Max. Basic concepts in Sociology.  Westport,  USA: Greenwood Press, 1962.

WEBER, Marianne. Biografia de Max Weber. México, DF: Fondo de Cultura Economica, 1995

Introduções sobre Max Weber

ARON, RAYMOND. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes. 2002.

BENDIX, Reinhard.  Max Weber: An intellectual portrait.  Garden City, New York: Doubleday, 1960.

QUINTANEIRO, Tânia; BARBOSA, M. L. de O. OLIVEIRA, M. Um toque de clássicos. Marx. Durkheim. Weber. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2003.

12 respostas para ‘Algumas notas sobre Max Weber

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

About leonardomalves