Como citar em trabalhos acadêmicos

Citações e referências são partes fundamentais da escrita acadêmica. Pode ser assustador, mas a arte de citar é relativamente simples.

citar

Para alguns colecionar citações é um passatempo, para outros uma rotina tediosa. Mas um pesquisador cuidadoso anota suas fontes, quer leituras, quer notas de campo, em fichas ou programas de gestão de notas, como OneNote, Google Keep ou Evernote.

Na redação de teses, dissertações, trabalhos de conclusão de curso, artigos científicos ou de comunicação o uso de citações é enriquecedor e quase todas as disciplinas uma parte essencial.

Há várias formas de citações e algumas são específicas para um único autor ou obra, como no caso de textos clássicos. Para organizar essa bagunça, os estilos de escrita acadêmica padronizados (Chicago/Turabian, APA, ABNT, MLA, e outros 3.000) possuem suas próprias normas de citação. Veja também as normas de estilo da casa (editora, revista) onde pretenda publicar.

O plágio é o pecado de não citar de modo apropriado e possui sérias consequências. Se doloso, o plágio é crime. E se por descuido sem intenção de danos a terceiros, o autor ainda pode ser responsabilizado. Entretanto, não se culpe por um péssimo manuseio de textos alheios que resulte em plágio. Acontece nas melhores famílias. Contudo, negliência não é desculpa para persistir no plágio. Qualquer texto já publicado pode ser retratado e corrigidas suas citações e referências.

POR QUE CITAR

Os biblioteconomistas Garfield (1965) e Weinstock (1971) apresentaram 15 motivos para citações, às quais acrescento algumas razões tendo em vista o desenvolvimento das ciências da informação e do Direito.

  1. Prestar homenagem aos predecessores;
  2. Dar devido crédito a outros trabalhos;
  3. Identificar metodologia;
  4. Oferecer uma literatura básica;
  5. Retificar o próprio trabalho;
  6. Retificar o trabalho de outrem;
  7. Analisar trabalhos anteriores;
  8. Sustentar declarações;
  9. Informar sobre trabalhos futuros;
  10. Destacar trabalhos pouco disseminados, com indexações imprecisas  ou desconhecidos (não citados);
  11. Validar dados e categorias;
  12. Identificar publicações originais nas quais se discutem uma ideia ou um conceito;
  13. Identificar publicações originais que descreveram conceitos.
  14. Contestar trabalhos ou ideias de outros autores;
  15. Debater a primazia das declarações de outros autores ou pioneiros;
  16. Contribuir para as métricas de impacto;
  17. Identificar as redes que conectam autores e obras;
  18. Permitir revisões bibliográficas ou indexações automatizadas;
  19. Isentar o autor do risco de plágio;
  20. Isentar o autor de responsabilidade de danos a terceiros.

QUANDO CITAR

Basicamente, toda vez que usar uma ideia, frase ou texto que você não criou.

E SE FOR MERA ALUSÃO

A exceção para citações seria para aludir a lugares-comuns ou ideias já amplamente conhecidas por sua audiência e que não constituam parte integral das premissas de seu argumento. Ou seja, alusões são enfeites, recursos retóricos.

Um exemplo de alusão:

Se fosse possível aplicar a teoria da relatividade geral e construir uma máquina do tempo, o ofício do historiador ainda assim seria complicado. A razão disso é que no mesmo instante de um momento histórico sempre haverá múltiplas perspectivas desse evento.

O texto tem como argumento principal as complicações pelas perspectivas na pesquisa histórica. O foco não é viagem do tempo ou teoria da relatividade, portanto, não cita ou referencia H. G. Well ou Einstein, os quais poderiam facilmente ser associados por um público educado.

Já se o tema e audiência forem outros:

A possibilidade de voltar no tempo e mudar a história é um devaneio ansioso do ser humano. Uma máquina capaz de viajar no tempo, conforme imaginada na ficção (WELLS, 1895) ou na física pela aplicação da teoria da relatividade geral (EINSTEIN, 1915), permite criar expectativas para esse anseio.

Na escrita acadêmica use as alusões com cuidado e parcimônia. Na dúvida, cite e referencie.

REGRAS DE CITAÇÃO

Umberto Eco (2009, p. 171) recomenda que o autor cite textos sobre o quais ele interpretará ou textos para apoiar sua interpretação. Em seu célebre manual Como se faz uma tese em Ciências Humanas (2009, pp. 171-177), Eco lista 10 regras para a citação.

Regra 1 — Os trechos objecto de análise interpretativa são citados com uma extensão razoável.

Regra 2 — Os textos da literatura crítica só são citados quando, com a sua autoridade, corroboram ou confirmam uma afirmação nossa.

Regra 3 — A citação pressupõe que se partilha a ideia do autor citado, a menos que o trecho seja precedido e seguido de expressões críticas.

Regra 4 — De todas as citações, devem ser claramente reconhecíveis o autor e a fonte impressa ou manuscrita.

Regra 5 — As citações de fontes primárias são feitas, na medida do possível, com referência à edição crítica ou à edição mais reputada.

Regra 6 — Quando se estuda um autor estrangeiro, as citações devem ser na língua original. [Obviamente modular essa regra para sua audiência e seu gênero textual]

Regro 7 — A referência ao autor e à obra deve ser clara.

Regra 8 — Quando uma citação não ultrapassa as duas ou três linhas, pode inscrir-se no corpo do parágrafo, entre aspas.

Regra 9 — As citações devem ser fiéis.  Em primeiro lugar, devem transcrever-se as palavras tal como estão (…) . Em segundo lugar, não se deve eliminar partes do texto sem que isso seja assinalado.

Regra 10 — Citar é como testemunhar num processo. Temos de estar sempre em condições de encontrar as testemunhas e de demonstrar que são dignas de crédito. Por este motivo, a referência deve ser exacta e precisa (não se cita um autor sem dizer em que livro e em que página ocorre a passagem citada) e deve poder ser controlável por todos.

VERBOS DICENDI

Os verbos de dizer servem para introduzir uma citação. Eis alguns deles:

  • apresentar,
  • advertir,
  • afirmar,
  • aludir,
  • argumentar,
  • arguir
  • assegurar,
  • citar,
  • concordar,
  • conceituar,
  • confirmar,
  • contestar,
  • contra-argumentar,
  • contrapor,
  • corrigir,
  • criticar,
  • declarar,
  • defender,
  • discordar,
  • discorrer,
  • discutir,
  • distinguir,
  • dizer,
  • esclarecer,
  • exemplificar,
  • explicar,
  • narrar,
  • negar,
  • objetar,
  • ponderar
  • propor,
  • questionar,
  • ratificar,
  • reconhecer,
  • referir,
  • replicar,
  • ressalvar,
  • retificar,
  • teorizar.

Além dos verbos, as citações podem ser introduzidas com uma locução, com as seguintes:

  • De acordo com…
  • Segundo o/a autor/a…
  • Conforme {verbo dicendi} fulano…

CITAÇÕES CURTAS

Toda vez que colocar uma citação curta dentro de um parágrafo é importante “colocar entre aspas as palavras do autor se o trecho for curto e não ultrapassar duas ou três linhas” (AUTOR, 2010) e indicar a autoria e ano (e se houver página, seria bom acrescentar também). Esse sistema de chamada ou remissão é chamado de autor-data.

CITAÇÕES LONGAS

No caso de citações longas, deve-se introduzir o trecho e seu autor no parágrafo anterior. Segundo o Autor X em seu Livro Z, citações longas devem seguir os seguintes procedimentos.

Para citações longas, ou seja, aquelas que passem de duas linhas, o texto deve ser recuado da margem, justificado, sem aspas e opcionalmente com menor espaçamento entre as linhas. Nas citações diretas, tanto curtas quanto longas, você deve reproduzir examente as palavras do outro autor, mesmo que contenha erros. Os créditos do autor são dados no final (AUTOR, 2010).

CITAÇÕES INDIRETAS

No caso de paráfrases, ou seja, quando você escrever ideias de outros, mas com suas próprias palavras, o autor pode ser creditado dentro ou fora dos parênteses. Por exemplo:

Segundo o Autor Z (2010), as citações indiretas, isto é, nas ocasiões em que os pensamentos de outros forem reescritos, a autoria deve ser indicada, quer entre parênteses, quer no texto corrido.

OUTRO SISTEMA DE CHAMADA

Os exemplos acima não são do único modo de citar. Há estilos de citação que demandam o uso de notas finais ou de rodapé para referenciar as citações.1

___________________
1. Esse sistema de chamada é conhecido como sistema numérico. Cf. ABNT NBR 10520:2002.

GASTANDO O SEU LATIM

Nas chamadas do sistema numérico é comum usar expressões latinas ou suas abreviações.

Ibidem – ibid. em latim, no mesmo lugar. Remete a uma obra com citações seguidas. Caso interrompa o fluxo de citações por mencionar outra obra, recomece ou utilize os recursos de op. cit. e loc. cit. quando couber.

_______________________
2 AUTOR Y, 2020, p. 123
3 Ibid., p. 124
4 AUTOR Z, 2001, p. 5
5 AUTOR Y, 2020, p. 125
6 Ibid., p. 123

Idem – Id. em latim, o mesmo. Cita obras diferentes do mesmo autor.
_______________________
2 AUTOR Y, 2020, p.123
3 Id., 2108, p.53

Opus citatum – op. cit. em latim, obra citada. Remete em páginas diferentes obra já citada quando ocorreu intercalação de outras notas.
_______________________
2 AUTOR Y, 2020, p. 123
3 AUTOR Z, 2001, p. 5
4 AUTOR Y, op. cit., p. 125

Locus citatum – loc. cit. em latim, lugar citado. Indica a mesma página de uma obra citada anteriormente quando ocorreu intercalação de outras notas.
_______________________
2 AUTOR Y, 2020, p. 123
3 AUTOR Z, 2001, p. 5
4 AUTOR Y, loc. cit.

Para citação dentro citação — quando você não tem acesso ao documento original– há outra expressão latina: Apud.

Conforme diz Autor Y (apud AUTOR Z, 2002, p. 5) é importante chegar às fontes.

Et al.  do latim et alii ou et alia, e outros, com os outros. Quando há mais de dois autores.

Segundo Y et.al (2001) nas referências os múltiplos autores são apresentados por extenso.

Cf. do latim confer, conferatur, o qual significa confira, confronte, compare. O q.v. ou quod vide, no qual se vê, ou ainda, queira ver, frequentemente cumpre o mesmo papel.

Empregue cf. quando lembrar de uma obra ou autor que você não esteja citando diretamente, mas achar útil ao seu argumento ou ao leitor. Cf. ECO, 2009.

Et seq. em latim et sequentes, sequentia, e [páginas] seguintes. Também com o mesmo propósito ff. que significa follio, ou em inglês on the following pages.

Passim. aqui ou acolá.

Embora nos exemplos dados aqui evitei citar páginas, dependendo do tipo do trabalho (e preferencialmente todas as citações verbatim) é bom indicar a página.

Já dizia X (2001, p.34-35) que um bom trabalho acadêmico permite o leitor encontrar suas fontes.

Porém, por vezes a ideia de um autor é citado por longas seções de sua obra, nesse caso é apropriado usar o et. seq. se forem páginas contínuas (X, 2001, p.34 et. seq.) ou passim se a ideia se espalha no original (X, 2001, p. 34, passim).

Sic, do latim “assim, assim mesmo”, ou de uma forma mais ampla, sic erat scriptum, e [sic!] quando o trecho citado for claramente errôneo.

Argumenta Z (2009) que “húmido [sic] é uma grafia comum em Portugal”.

Ainda Z (2009) aconselha que ” não se deve umilhar [sic!]  por sua ortografia”.

HIPERTEXTO

Os formatos eletrônicos permitem criar links para outros documentos, citar e referenciar com endereços permanentes, como o DOI e o OrcId.

Em gêneros textuais mais informais na academia, como na comunicação científica, as ligações facilitam a vida do leitor e poupa o uso de referências padronizadas.

AUTOMATIZE

Não precisa sofrer e gerir manualmente centenas de citações. Já apresentados na postagem Formate e gerencie suas citações e referências, as ferramentas de gestão de citações e referências (Mendeley, Zotero, EndNote) possuem plugins que podem ser incoporados ao seu editor de texto e facilitar as citações ao inseri-las conforme se escreve o trabalho acadêmico.

Para a ABNT há a ferramenta gratuita http://novo.more.ufsc.br/inicio

REFERÊNCIAS

Cada autor citado no corpo do texto deve ser referenciado no final. Em caso de dúvida, basta procurar na internet as normas do estilo de citação escolhido.

Basicamente, as referências seguem o modelo:

SOBRENOME, Nome. Título da Obra. Local: Editora, An00.

Macete (acróstico horrível, mas útil): SONo.TidO.Lea.

SAIBA MAIS

ABNT NBR 10520:2002 Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação 2002-08-30

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. Tradução de Ana Falcão Bastos e Luís Leitão. Lisboa:  Presença, 2009.

GARFIELD. E. Can citation indexing be automated? In: Stevens Mary Elizabeth, G VE, Heilprin Laurence B., editors. Satistical Association Methods for Mechanized Documentation. Washington. Symposium Proceedings: Volume 269 of National Bureau of Standards Miscellaneous Publication. 1965. pp. 189–192.

WEINSTOCK, Melvin. Citation indexes. Encyclopedia of Library and Information Science. volume 5. eds. a. kent & h. lancour. 1971.


Como citar esse texto no formato ABNT:

Citação com autor incluído no texto: Alves (2020)

Citação com autor não incluído no texto: (ALVES, 2020)

Referência:

ALVES, Leonardo Marcondes. Como citar em trabalhos acadêmicos. Ensaios e Notas, 2020. Disponível em: https://wp.me/pHDzN-53X . Acesso em: 20 jul. 2020.

3 respostas para ‘Como citar em trabalhos acadêmicos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves