Aristóteles: As quatro causas

Não temos conhecimento de algo até que conhecemos suas causas. Aristóteles.

Os gregos empreenderam uma discussão sistemática acerca a natureza (que em grego Φύσις, physis, étimo do português física). Nessa discussão os filósofos interessaram-se pela questão da causalidade: como as coisas tomam forma e se transformam?

A noção de causalidade (em grego αἴτιον, atíon, de onde vem o morfema etio– como em etilogia) tinha entre os gregos as conotações de autoria, responsabilidade, razão ou motivo. Os discípulos do médico Hipócrates empregavam o termo no método investigativo das causas ou fatores das doenças, surgindo aí a etiologia. No diálogo Faedo,  96a-b  Platão registra a fascinação em conhecer as causalidades: “[Sócrates:] pensava ser uma coisa gloriosa conhecer as causas de tudo: a razão de cada coisa surgir, a razão de ela perecer e a razão de ela existir”.

Aristóteles – em duas partes de seu livro Física (II 3,7) e na Metafísica (V 2) – aprofunda-se no estudo das causalidades. Para ele a matéria é modificada ou chega ao seu presente estado pelo fruto de um efeito dominó (κίνησις, kinesis, movimento, moção ou mudança) na qual atuam as quatro causas. Assim, Aristóteles integra à matéria o mundo das formas ou ideias e a finalidade, τέλος, telos. Olhando essas quatro causas de um ponto de vista contemporâneo, elas parecem até ingênuas e passíveis de contradição, mas foi um dos instrumentos analíticos que guiou o raciocínio das civilizações ocidentais até o iluminismo.

Muito citado, porém pouco lido na fonte, segue uma tradução da Física II 3 na qual Aristóteles explica seu modo de análise causal.

quatro causas

 

Feitas essas distinções, devemos proceder para considerar as causas, suas características e quantas são. O conhecimento é o objeto de nossa investigação, e os homens não acham que sabem de nada até compreenderem o “porquê” (que é compreender sua causa primária). Então, evidentemente, também devemos fazer isso tanto no que diz respeito à geração e destruição, quanto a todo tipo de mudança física, a fim de que, conhecendo seus princípios, possamos tentar nos referir a esses princípios em cada um de nossos problemas.

Em outro sentido, chama-se causa [material] (1) aquilo do qual uma coisa é feita e que persiste, por exemplo o bronze da estátua, a prata da taça e os gêneros dos quais o bronze e a prata são espécies.

Em outro sentido, a causa [formal] é (2) a forma ou o arquétipo, ou seja, a afirmação da essência e seus gêneros, são chamados de “causas”. Por exemplo, da oitava, a relação de 2: 1, e geralmente número), e as partes na definição.

Em um terceiro sentido, a causa [eficiente] é (3) a fonte primária da mudança ou chegando ao descanso. Por exemplo, o homem que deu conselhos é uma causa, o pai é a causa da criança e, em geral, o que é feito é a causa do que é feito; o que produz a mudança é a causa da mudança produzida.

Por fim, causa [final] (4) no sentido de fim ou o objetivo pelo qual uma coisa é feita. Por exemplo, a saúde é a causa da caminhada. (“Por que ele está andando?”, dizemos: “para sermos saudáveis” e, tendo dito isso, pensamos que atribuímos a causa). O mesmo é verdadeiro também para todos os passos intermediários que ocorrem durante a ação como meio para o fim. Por exemplo a redução de carne, a purgação, as drogas ou os instrumentos cirúrgicos são meios para a saúde. Todas essas coisas são “para o bem” do fim, embora sejam diferentes umas das outras, pois algumas são atividades, outros instrumentos.

Com isso então talvez se esgote o número de maneiras em que o termo “causa” é usado.

Como a palavra tem vários sentidos, pode acontecer que a mesma coisa tenha várias causas, sem que seja indiretamente ou por acidente. A estátua tanto a arte do escultor como o bronze são causas da estátua. Estas são as causas da estátua enquanto estátua, não em virtude de qualquer outra coisa que possa ser — não apenas da mesma maneira, pois uma dessas causas é considerada como matéria e a outra como princípio a partir do qual o movimento começa.

Algumas coisas causam umas às outras reciprocamente. Por exemplo, o trabalho árduo provoca a aptidão e vice-versa, mas novamente não da mesma maneira, mas um como fim, o outro como a origem da mudança. Além disso, a mesma coisa é a causa de resultados contrários. Para aquilo que, por sua presença, produz um resultado, às vezes é culpado por trazer o contrário por sua ausência. Assim, atribuímos o naufrágio de um navio à ausência do piloto cuja presença era a causa de sua segurança.

Todas as causas agora mencionadas se enquadram em quatro divisões familiares. As letras são as causas das sílabas, o material dos produtos artificiais, o fogo etc. dos corpos, as partes do todo e as premissas da conclusão, no sentido de “aquilo do qual”. Destes pares, o conjunto é causa no sentido de substrato, e. as partes, a outra no sentido de essência — o todo e a combinação e a forma. Mas a semente e o médico e o conselheiro, e geralmente o criador, são todas as fontes de origem da mudança ou estacionariedade, enquanto as outras são causas no sentido do fim ou do bem do resto; pois “aquilo pelo qual” significa o que é melhor e o fim das coisas que levam a isso. (Se dizemos que o “bem em si” ou o “bem aparente” não faz diferença).

Tal então é o número e a natureza dos tipos de causa.

Agora, os modos de causação são muitos, embora, quando trazidos para baixo, também possam ser reduzidos em número. Pois “causa” é usada em muitos sentidos e até dentro do mesmo tipo que uma pessoa pode ser anterior a outra (por exemplo, o médico e o especialista são causas de saúde, a relação 2: 1 e o número da oitava) e sempre o que é inclusivo para o que é particular. Outro modo de causação é o incidental e seus gêneros, e, de certa forma, “Policleto”, em outro “escultor”, é a causa de uma estátua, porque “sendo Policleto” e “escultor” são combinados por acaso. Também as classes nas quais o atributo incidental está incluído; assim, pode-se dizer que “um homem” é a causa de uma estátua ou, em geral, “uma criatura viva”. Um atributo incidental também pode ser mais ou menos remoto, por exemplo suponha que “um homem pálido” ou “um homem musical” fosse a causa da estátua.

Todas as causas, tanto apropriadas quanto incidentais, podem ser entendidas como potenciais ou reais. Por exemplo, a causa de uma casa que está sendo construída é “construtor de casas” ou “edifício de construção de casas”.

Distinções semelhantes podem ser feitas nas coisas das quais as causas são causas. Por exemplo, de “esta estátua” ou de “estátua” ou de “imagem”’ geralmente, de “este bronze” ou de “bronze” ou de “material” geralmente. Assim também com os atributos incidentais. Novamente, podemos usar uma expressão complexa para qualquer um e, por exemplo, por exemplo. nem “Policleto” nem “escultor”, mas “Policleto, escultor”.

Todos estes vários usos, no entanto, chegam a seis em número, em cada um dos quais, novamente, o uso é duplo. Causa significa ou o que é particular ou um gênero, ou um atributo incidental ou um gênero disso, e estes ou como um complexo ou cada um por si; e todos os seis ou como reais ou como potenciais. A diferença é tanto, que as causas que estão realmente no trabalho e em particular existem e deixam de existir simultaneamente com o seu efeito, e. esta pessoa curativa com esta pessoa curada e aquele homem que constrói casa com aquela casa sendo construída; mas isso nem sempre é verdade em relação a causas potenciais – a casa e o construtor não desaparecem simultaneamente.

Ao investigar a causa de cada coisa é sempre necessário buscar o que é mais preciso (como também em outras coisas): assim o homem constrói porque ele é um construtor, e um construtor constrói em virtude de sua arte de construir. Essa última causa é anterior: e assim geralmente são as coisas.

Além disso, os efeitos genéricos devem ser atribuídos a causas genéricas, efeitos particulares a causas específicas. Por exemplo, a estátua ao escultor, esta estátua a este escultor; e os poderes são relativos aos possíveis efeitos, na verdade, causas operacionais para as coisas que estão realmente sendo efetuadas.

Isso deve ser suficiente para explicar o número de causas e os modos de causação.

SAIBA MAIS

ARISTÓTELES. Física I e II. Prefácio, tradução, introdução e comentários de Lucas Angioni. Campinas, SP: Editora da Unicamp. 2009.

ARISTOTE. Physique. Tome deux: livre Iii: Résumé de la définition du mouvement.

ARISTOTLE. Physics. 2

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

About leonardomalves