Às margens da medicina

Hoje qualquer dessas formas de medicina cheiram a charlatanismo. Mas, antes da descoberta da célula, da microbiologia, da genética, da farmacologia, da assepsia, da fisiologia bioquímica, quase tudo da medicina “científica” era invencionice e os tratamentos, por vezes, piores que as doenças. Algumas dessas abordagens deixaram legados ou ao menos uma negativa, outras ainda encontram adeptos. Contemporaneamente, a popularidade de terapias alternativas e complementares é grande de tal forma que convivem ao lado da medicina científica, a qual é criticada por tratar a doença e não o paciente.

Medicina humoral

A medicina humoral confunde com a história da própria medicina ocidental. Formulada por Hipócrates e desenvolvida por Galeno, pressupunha a existência de quatro “humores” no corpo, cujo desequilíbrio resultava na doença e mesmo no caráter da pessoa. Práticas como sangria foram justificadas nessa teoria até que nos anos 1850 Rudolf Virchow insistiu que a patologia celular seria a razão das doenças, não os humores.

humores

Iatromecânica, iatrofísica ou iatroquímica

Teorias que opunham à medicina de Galeno. Influenciados por Paracelso, Galileu, Gassendi, Jan Baptista van Helmont e Newton, médicos italianos como Alfonso Borelli (1608-1679) e Giorgio Baglivi (1668 – 1707) buscavam na química e na física a explicação do corpo e das patologias ao invés de acreditar na medicina humoral ou no vitalismo — crença em um fluido vital. No Portugal pombalino a teoria iatromecânica (às vezes, grafada erroneamente Latromecânica) ganhou adeptos graças ao médico estrangeirado Jacob de Castro Sarmento (1691 — 1762). Deram avanços à fisiologia, mas a crença que reações químicas e desequilíbrio mecânico dos músculos são causas de doenças caiu em descrédito com a microbiologia.

Mesmerismo ou Magnetismo Animal

mesmer-at-work-mesmerism-and-magnetismTambém influenciado pela teoria das marés de Newton o médico alemão Franz-Anton Mesmer (1734-1815) não só apregoava a existência de um fluido magnético universal, como se dizia capaz de manipular esse magnetismo animal em banheiras com cargas elétricas, ímãs e passes. Ganhou popularidade e prestígio nos salões cheios de nobres que soltavam gritinhos histéricos em busca de cura e entretenimento.

A ideia até ganhou respeito em círculos médicos, com direito a um jornal quadrimenstral, com o respeitável nome The Zoist, no qual também publicaram artigos sobre frenologia. O mesmerismo criou técnicas para a hipnose, mas por volta de 1850 saiu de moda.

Medicina Brunoniana

O médico escocês John Brown (1735-1788) formulou o sistema de medicina brunoniana. As premissas básicas eram que o corpo responde a estímulos e o balanço desses estímulos afetam a saúde. Brown usava estimulantes e sedativos para contrapor a falta ou excesso de estímulos. As ideias de Brown teve um apelo na Europa central, influenciado o poeta Goethe.

Nostrum ou garrafadas

clark_stanley27s_snake_oil_linimentA cena era típica: o “doutor” em sua carroça anunciava com fanfarra na cidadezinha ou nas feiras as últimas descobertas, o elixir que curava tudo, de feiura até vento virado. Estimulantes, opiáceos e purgantes foram empregados nos nostrum, também chamados de patent medicines, dando sensação de melhora. Esses remédios populares enricaram muitos curandeiros showmen no século XIX e começo do XX.

Quando essas panaceias começaram a ser vendidas em proporções industriais, a imprensa caiu matando e o Pure Food and Drug Act de 1906 começou a coibir a propaganda dessas misturebas vendidas como se remédio fossem. Alguns espertos se adaptaram, como foram os casos da Coca-Cola e da Dr.Pepper. Não foi uma exclusividade americana: no Brasil tivemos o clássico Biotônico Fontoura que até 2001 fazia a alegria das criancinhas, com conteúdo de quase 20% de álcool, o triplo a mais que qualquer latinha genérica de cerveja.

Perkinismo

Ainda nos Estados Unidos um tal dr. Elisha Perkins (1741 – 1799) inventou duas agulhas de metais diferentes. Bastava espetar nos coitados que o reumatismo, a dor de cabeça, a inflamação, o bom-senso e o dinheiro sumiam.

gillray_-_treatment_with_tractors

Cinepatologia, Kinesipathia ou Kinesitherapia

Outra medicina fundamentada no aspecto físico, a cinepatologia foi inventada pelo poeta sueco Per Henrik Ling (1776 -1839) que advogava o uso de massagem e ginástica como panaceia. Não curou muito, mas deixou muita gente em forma, antecedendo a Educação Física e a Fisioterapia.

Electrobiologia ou Medicina Eletromagnética

electromagnetic-medicine

A energia elétrica no século XIX, que na época não tinha uma teoria explanatória convincente, parecia ser a fonte da vida e da saúde (vide o dr.Frankenstein). Como variantes das premissas do mesmerismo, surgiram vários equipamentos prometendo cura com o choque. Cintas elétricas e massageadores milagroso ainda estão aí no mercado para solucionar de sobrepeso até nascer cabelo.

Homeopatia

Pouco antes da virada para o século XIX, o médico alemão Samuel Hahnemann (1755 – 1843) notou que os remédios poderiam causar sintomas semelhantes aos males que deveriam curar. Ao ver que a ingestão da quinina dava febres como na malária ainda que a curasse, propôs o princípio de similia similibus curantur. O problema era administrar um remédio que causasse doença. Para conter esse riscoHahnemann diluiu as doses ínfimas das substâncias ativas em proporções cavalares de água. (Se essa dose não faz mal, tampouco faz bem). A teoria subjacente é que a água reteria uma “memória” ou “energia” da substância e colocaria o corpo em equilíbrio.

Nos Estados Unidos o Federal Trade Commission que protege interesses dos consumidores determinou recentemente que os remédios homeopáticos sejam vendidos com a tarja que diz:

A homeopatia não possui provas científicas competentes e fiáveis mas pode ser vendida se o anúncio ou rótulo efetivamente comunicar que: 1) não há evidência científica de que o produto funciona; e 2) as reivindicações do produto baseiam-se apenas em teorias da homeopatia de 1700 que não são aceitas pela maioria dos especialistas médicos modernos.

47820

Isopatia

Enquanto na homeopatia o remédio é feito com algo que causa o sintoma ou a doença, na isopatia, uma dissidência inventada por Johann Joseph Wilhelm Lux (1773-1849) inventou a isopatia. Nessa terapia, o produto da doença imunizaria o paciente (convenhamos, até o conceito de vacina quando surgiu parecia estranho). Com o pus das infecções a isopatia faz pílulas para neutralizar a doença.

Florais de Bach

Outra variante da homeopatia. Dessa vez, bem poética. Certa “força vital” presente nas flores colocadas em vasilhas de águas e expostas ao sol adquiririam poderes de cura.

Psicanálise

Isso Freud não explica. Sigmund Freud (1856-1939), um médico com dificuldades em encontrar clientes na chique Viena do início do século XX, apareceu com a ideia de que as desordens mentais — de depressão a síndrome de Tourette — eram todas oriundas de um conflito entre componentes que atuavam no inconsciente humano. Esses componentes, o Ego, Id e Superego, ninguém atestou se existem, mas são os culpados. A repressão de impulsos (com conotações sexuais aqui) gerariam essas desordem. Esquizofrenia? Não tem nada errado contigo, é coisa da sua cabeça. A cura seria através de longa e caras conversas com os psicanalistas, os quais conseguem explicar tudo, mas quanto a dar alta…

Phineas Quimby e o Novo Pensamento

O relojoeiro Phineas Parkhurst Quimby (1802-1866) ficou impressionado pela hipnose praticada por mesmeristas e postulou que a mente humana seria capaz de curar o corpo. Daí, a conclusão que as doenças seriam imaginações da mente foi o próximo passo. De suas ideias vários curandeiros religiosos e seculares propagaram o ideal o poder da mente, a lei da atração. Uma variante mais sofisticada é cura pela programação neurolinguística.

Medicina Antroposófica

anthroposophy

Rudolph Steiner

Antroposofia é uma doutrina baseada nos trabalhos do místico austríaco Rudolph Steiner (1861-1925). Steiner, um doutor em Literatura, separou-se do movimento Teosófico em 1909, acrescentando doutrinas rosacrucianas, cristãs e suas próprias convicções no novo movimento religioso.

A Antroposofia propõe a preparação dos homens para se tornarem atores mais avançados e conscientes de todo o processo cósmico através de uma nova ciência da mente, corpo e formas (também inspirada por Goethe) que captura conhecimento da natureza e do oculto espiritual. Há, no entanto, aplicações práticas e artísticas, desde a euritmia biodinâmica (uma forma particular de dança), às técnicas de ensino (notavelmente as escolas Waldorf) e os diversos centros de tratamento.

Na visão antroposófica, o ser humano é constituído por quarto partes (vida-força/corpo etéreo, alma/corpo austral), e a saúde significa balancear o catabolismo (perda de energia) e o anabolismo (armazenamento de energia). Há três sistemas dinâmicos interconectados (nervoso, metabólico e rítmico). Doença é parte da natureza humana e não aceitar isso resulta em um descontrole entre corpo/alma.

O tratamento consiste em uma dieta lacto-vegetariana, consumo de carboidratos crus de maneira que consideram análoga ao funcionamento do corpo humano (raízes = cérebro, caule e folhas = sistema rítmico) e são consumidos segundo o princípio de que o similar afeta seu similar. A terapia antroposófica também utiliza massagem, hidroterapia, arte, música, homeopatia e remédios fitoterápicos, combinadas das influência da estação e das forças cósmicas.

O lado menos ruim é o que deve-se ser formado em medicina de verdade para ser médico antroposofista.

Frenologia

goodhealthv2-paperrelics

Uma caminho da ciência que por fim se provou errado. Popularizada no século XIX por F. J. Gall, baseava-se na crença que cada área do cérebro respondia por um traço de personalidade e que um estudo métrico do crânio permitiria afirmar com certeza o caráter e o comportamento da pessoa. Seu componente caracterológico, fisionomista e craniométrico caiu em descrédito, não antes sem legar técnicas para a psicologia e a antropologia física.

Quiropraxia

O dono de mercearia americano-canadense Daniel David Palmer (1845 – 1913) acreditava que com o uso de metais magnetizado seria possível curar. Oferecendo suas curas, passou a dar trancos na costa como meio de equilibrar a energia vital, coisa que ele acreditava existir. Com isso, visava curar sem remédios. Hoje há uma ala de quiropráticos que tratam da coluna muito bem, mas outros ainda querem curar gripe estalando suas costas.

Teoria do miasma

No final da Idade Média culparam os ares (com certeza fétidos e insalubres) para as doenças. Malária etimologicamente vem dessa ideia. Daí começaram as viagens de turismos para os Buenos Aires, reformas sanitárias, palácios como Versailles longe da poluição urbana. Somente com a teoria dos germes que a teoria do miasma caiu em desuso. Mas com toda essa poluição das metrópoles, pode ser que volte…

Movimento anti-vacina

Desde o início do século XIX já havia movimentos organizados raivosos contra a inoculação forçada. Pudera, ninguém ainda era capaz de explicar seu funcionamento até a descoberta dos anticorpos. Durante a presidência de Rodrigues Alves o o médico Oswaldo Cruz enfrentou a ira dos cariocas por querer “infectar seus corpos com doenças”. Apoiado até por gente culta, como Rui Barbosa, o movimento contra a vacina obrigatória virou uma revolta em 1904. Hoje, um crescente movimento anti-vacina nos países de língua inglesa tem ameaçado a volta epidêmica de doenças a tempos erradicadas.

abaaae8eyai-0

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves