Deixe meu povo ir…e vir

Os retirantes. Portinari. 1944.

É necessário reconhecer que a mobilidade humana é um fato. O direito consagrado de ir e vir, presente nas constituições democráticas no mundo e inserido como direito da livre-movimentação dos povos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, é inegociável.

Muitos migram: trabalhadores que fazem migrações pendulares todos os dias, migrantes sazonais, população peripatéticas, nômades e semi-nômades, expatriados profissionais, estudantes internacionais, viajantes, marinheiros, aeroviários, refugiados, artistas mambembes. Todos, de alguma forma, são cidadãos de segunda classe.

Como disse o cacique suquamish Chefe Seattle, “a Terra não nos pertence, mas nós pertencemos à Terra”, se aceitamos que pássaros, tartarugas e outros animais cruzem fronteiras internacionais por fazerem parte de um sistema ecológico, da mesma forma o ser humano é um animal migratório.

Falta o reconhecimento institucional, atrelando direito de voto a um distrito eleitoral geográfico, reservando benefícios e direitos por local de origem, recenseando somente domicílios fixos, exigindo comprovantes de endereços para crédito, dificultando a aceitação de certificados educacionais e profissionais emitidos alhures, levantando muros e campos de confinamento. Tudo isso serve para eliminar o direito à participação política, ser contado, ouvido, buscar avanço econômico, exercício profissional e transitar livremente sobre um planeta cujas fronteiras são artificiais.

Diante dos alardes imigratórios no Arizona (desde quando um estado nos US pode legislar em assuntos federais?) e da crise migratória na Europa  reproduzo aqui um trecho do sermão do Rev. Vaughan Jones, pregado na Câmara dos Comuns britânica e disponível no original em http://www.ekklesia.co.uk/node/12015  (Why the ‘immigration debate’ is so misleading 29 Apr 2010)

É um antigo temor. A Bíblia e o Alcorão fazem referência ao evento de Caim e Abel, os primeiros dois filhos de Adão e Eva. Caim era um agricultor com um estilo de vida sedentário em relação à terra enquanto Abel era um pastor, um peregrino, um migrante. Caim matou Abel. Menciono isso, não para levantar uma questão religiosa, antes para demonstrar que a batalha entre aqueles que estão estabelecidos e aqueles que mudam é um arquétipo da condição humana.

Seres humanos são tanto migrantes e sedentários. É uma tragédia de nossa condição que ainda não aprendemos acomodar esses diferentes componentes de nossa constituição. Mas devemos. Não é somente uma questão econômica, social e cultural; é uma profunda questão ética, tocando no que significa ser seres humanos.

Por exemplo, quando dizem que precisamos de uma “população ideal”, o que está sugerindo àqueles que excedem este número? Nossas instituições se tornam Caim e elimina os inaceitáveis e indesejáveis de alguma forma? Quantos idosos podemos manter – devemos deixar  alguns morrer mais cedo? Limitaremos o números de nascimentos, como na China?

O que acontece quando nossa cota de imigrantes por um determinado ano completa? Negamos vistos e se assim for, para quem – estudantes estrangeiros, companheiros em casamentos, indianos ou australianos, latino-americanos ou norte-americanos? São as nossas decisões baseadas na necessidade, raça ou status? Políticas imigratórias envolvem esses dilemas éticos os quais, por serem difíceis, são mantidos de lado.

One thought on “Deixe meu povo ir…e vir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves