Koch: a coesão textual

Koch, Ingedore Grünfeld Villaça. A coesão textual. 17. Ed. São Paulo: Contexto, 2002.

Um resumo em formato de esboço estrutural de um pequeno grande livro da linguística de texto.

O QUE É LINGUÍSTICA TEXTUAL

  •  Surgida nos anos 1960 na Europa.
  • Nos anos 1980 consolidam as teorias:
    • Beaugrande e Dressler: critérios ou padrões de textualidade e do processamento cognitivo do texto.
    • Givón e a análise do discurso americana.
    • Weinreich: construção de uma macrossintaxe do discurso.
    • Van Dijk: Critical discourse analysis.
    • Petöfi: TeSWeST (teoria da estrutura do texto – estrutura do mundo).
    • Schmidt: texto é qualquer expressão de um conjunto linguístico num ato de comunicação tematicamente orientado e preenchendo uma função comunicativa reconhecível.
    • Franceses: Charolles, Combettes, Vigner, Adam.
    • Marcuschi: LT estudo das operações linguísticas e cognitivas reguladoras e controladoras da produção, construção, funcionamento e recepção de textos escritos ou orais. (1983:12-13).

COESÃO TEXTUAL: CONCEITOS E MECANISMOS

  • A coesão textual dá o caráter de “tessitura” em um dado conjunto de enunciados.
  • Os recursos de coesão textual funcionam dentro do texto mediante
    • Catáfora e anáfora
    • Oposição ou contraste
    • Finalidade ou meta
    • Consequência
    • Localização temporal
    • Explicação ou justificativa
    • Adição de argumentos ou ideias
  • Coesão textual: estabelece relações de sentidos
  • Halliday & Hasan: principais fatores de coesão:
    • Referência:
      •  pressuponentes (não se explicam, precisam de outros, os referentes) .
      •  pressupostos (o referenciado, os outros).
      • Referência situacional exofórica (fora do texto) .
      • Referência endofórica (dentro do texto:_
        • Anáfora.
        •  Catáfora.
      • Pessoal.
      • Demonstrativa.
      •  Comparativa.
    • Exemplos:
      • Queria diferente? (Ref. Comp. Exofórica)
      • Você  (exófora) fez este (ref. Demonstrativa catafórica) trabalho semelhante ao de ontem (ref. Comp. Endofórica).
    • Substituição: “curinga” em funções nominal, verbal, frasal.
    • Elipse: nominal, verbal, frasal.
    • Conjunção: aditiva, adversativa, causal, temporal, continuativa.
    • Coesão lexical:
      • Reiteração:
        • repetição do mesmo item lexical
        • Sinônimo, hiperônimo, nome genérico
      • Colocação: contiguidade:  o acidente…a ambulância…o hospital. Coesão sequencial.

COESÃO REFERENCIAL

  • Um componente da superfície do texto faz remissão a outro(s) elemento(s) nela presentes ou inferíveis a partir do universo textual.
  • Forma referencial ou remissiva
    • Gramatical
      • Livre:
        • pronomes pessoais de 2ª pessoa e pronomes substantivos, advérbios pronominais (aqui, ali)
        • Formas verbais: pro-formas verbais: fazer.  Amo, faça o mesmo.
      • Presa: artigos, pronomes adjetivos,  numerais cardinais e ordinais seguidos de nomes.
      • Formas remissivas lexicais
    • Expressões ou Grupos
    • Nominalizações
    • Sinônimos e quase sinônimo
    • Hiperônimos ou indicadores de classes
  • Elemento de referência ou referente textual. Sinônimos, hiperônimos, nomes genéricos, etc.

COESÃO SEQUENCIAL

  • Sequenciação frástica: sem procedimentos de recorrência estrita.
    • Recorrência de termos
    • Recorrência de estruturas – paralelismo sintáticos
    • Recorrência de conteúdo semântico – paráfrase
    • Recorrência de recursos fonológicos segmentais ou suprafragmentais:  metro, rima, aliteração,  assonância.
    • Recorrência de tempo e aspecto verbal: tempo narrado e tempo comentado.
  • Sequenciação parafrástica: com procedimento de recorrência.
  • Procedimento de manutenção temática
  • Progressão temática
    • Linear
    • Com tema constante
    • Com tema  derivado
    • Por desenvolvimento de um tema  subdividido
    • Com salto temático
  • Justaposição: por elementos ou sinais de articulação:
    • Meta-nível ou nível metacomunicativo
    • Nível inter-sequencial (sequências textuais ou episódios narrativos): marcadores de situação ou ordenação no tempo-espaço.
    • Nível conversacional (inter ou intra turnos)
  • Conexão ou junção?
    • Relações lógico-semânticas
      • Relação de condicionalidade (se p então q)
      • Relação de causalidade
      • Relação de mediação: meios para atingir os fins.
      • Relação de disjunção
      • Redução de temporalidade
        • Tempo simultâneo (exato, pontual)
        • Tempo anterior/posterior
        • Tempo contínuo ou progressivo
          • Relação de conformidade
          • Relação de modo
        • Relações discursivas ou argumentativas
          • Conjunção: e, também,
          • Disjunção argumentativa: ou
          • Contrajunção; mas (porém, contudo)
          • Explicação ou justificativa: pois
          • Comprovação: tanto que
          • Conclusão: portanto
          • Comparação: tanto quanto
          • Generalização/extensão: aliás, é verdade que
          • Especificação/exemplificação
          • Contraste
          • Correção/redefinição
          • Encadeamento

A autora

A teuto-brasileira Ingedore Koch (1933 — 2018) foi uma das pioneiras da linguística do texto e dos estudos de discurso no Brasil. De origem judia, chegou ao Brasil aos seis anos. Estudou Direito e Letras, foi professora da Unicamp.

2 respostas para ‘Koch: a coesão textual

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves