Egéria e sua peregrinação

egeria_2017_3d_0

Pouco se sabe dela. Talvez veio do sul da França ou da Galícia ibérica. Especula-se que fora bem relacionada, ou até mesmo aparentada, com o imperador Teodósio (347-395 d.C.). Seu relato de viagem da Europa ocidental à Terra Santa garantiu-lhe um lugar na história pelo seu pioneirismo como autora cristã e, com suas vívidas descrições, como a iniciadora dos guias de viagens.

Entre os anos 381 e 384, Egéria viajou sozinha (um fato notório para a época, quando mulheres eram restritas aos ambientes domésticos) pelas redes de estradas romanas montada em um burro ou mula. Foi uma das poucas mulheres escritoras no Império Romano, e seria a primeira mulher cristã atestadamente a compor uma obra de não ficção.

As narrativas de viagens – periégesis e périplos –  já existiam desde os egípcios, fenícios e gregos. Helena, a devota mãe de Constantino, pôs em moda a peregrinação religiosa para os lugares sagrados da Palestina. Outras narrativas cristãs foram escritas nessa mesma época: o Itinerarium Burdigalense, a epístola de Atanásio, a peregrinação de Gregório de Nissa, e a epístola 108 de Jerônimo. Mas as observações argutas de Egéria nos convidam a lê-la como literatura ou uma etnografia.

Não escreveu como arte. Desse modo, seu estilo não é literário, mas informativo. Ao invés de utilizar o latim clássico – o qual nessa época ainda produziu os escritos de Agostinho, Boécio, Isidoro, Jerônimo e Cassiodoro – Egéria empregou o sermo cotidianus, o latim vulgar. Trata-se de uma das únicas obras extensas nesse registro linguístico, fazendo desse livro uma fonte crucial para compreender a evolução das línguas romances, dentre elas, o português.

Se consideramos a Galícia do livro como o noroeste da península ibérica, essa obra não só seria pioneira na literatura de viagem, feminina e no latim vulgar, mas também um marco inicial das literaturas portuguesas e galegas.

O manuscrito ficou perdido por uns setecentos anos, até que em 1884 o erudito Gian Francesco Gamurrini descobriu-a no Codex Aretinus (405) em uma biblioteca monástica em Arezzo. A obra, sem título e anônima, é chamada de Peregrinatio Egeriae, Itinerarium Egeriae, peregrinatio aetheriae, sanctae siluiae Aquitanae peregrinatio ad loca sancta. Inicialmente não se sabia quem era o autor, até que em 1903 o filólogo Marius Férotin achou uma referência de um monge do século VII, Valerio de Bierzo, a respeito de uma peregrina chamada Egéria. O nome ainda seria disputado: Egeria. Eiheria, Echeria, Etheria, Aetheria. Hoje, é consenso que se chamava Egéria.

Não se sabe se fora uma monja ou uma leiga, mas escrevia para suas irmãs. Na forma de epístola, na primeira parte conta-lhes seu trajeto desde Gallaecia, a travessia da Itália, a navegação à Constantinopla, a chegada à Palestina. Vai a Jericó, Belém, Nazaré, Cafarnaum, Jerusalém, Egito, Sinai, monte Nebo. Volta a Jerusalém para ir à Síria (Antioquia e Edessa), Mesopotâmia e Tarso, onde se hospedou com uma amiga que conhecera em Jerusalém. A narrativa termina em Constantinopla. O manuscrito possui algumas páginas faltando, tampouco sabemos se houve outras cartas posteriores. Assim, não sabemos seu destino ou se voltou para casa. Menciona intenção de ir a Éfeso.

Na parte final, Egéria descreve minunciosamente a liturgia de Jerusalém, com os rituais movendo entre as diferentes igrejas. Narra o modo que era feito a catequese. Menciona de passagem a circulação de apócrifos (Atos de Tomé, Atos de Paulo e Tecla), mas nada diz sobre os movimentos ditos hereges e cismáticos, sinal que o Édito de Tessalônica (380) de Teodósio que promoveu o cristianismo imperial como única religião oficial já surtia efeito.

A filóloga Maria Cristina Martins (UFRGS) pesquisou nos manuscritos guardados na Sorbonne e agora lança pela Editora da Universidade Federal de Uberlândia a primeira edição bilíngue brasileira. Fundamentado no manuscrito Codex Aretinus (405) – publicado em fac-símile por Martins –, a edição crítica corrige algumas leituras equivocadas de outras edições pretéritas e foi feita com base na crítica mais recente sobre a obra.

SAIBA MAIS

MARTINS, Maria Cristina. Peregrinação de Egéria: uma narrativa de viagem aos Lugares Santos. Introdução, texto crítico, tradução e notas de Maria Cristina Martins. Uberlândia: EDUFU, 2017.

The Egeria Project. [ site arquivado]

Uma resposta para “Egéria e sua peregrinação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

About leonardomalves