A próxima vítima

young-friends-taking-a-selfie-in-restaurant_23-2147662119

Tamra gentilmente abordava estranhos nas ruas, nos shoppings, nos restaurantes e, com um sotaque estrangeiro falso, pedia para tirar uma foto deles. Surpresos e envaidecidos, aquiesciam.

Mais tarde, trazia o notebook para a mesa de algum aconchegante bistrô e com algum incauto amigo, certamente conhecido naquele mesmo dia, Tamra deleitava-se. Os retratados serviam de espécimes para seu desprezo, não os poupando de nenhuma comparação elogiosa: que face equina, que olhos de toupeira, que expressão imbecil, que dentes de rato, que orelhas do Pateta, que buços de morsa, que pança de barril, que magreza de cadáver, que banquetinha, que remedo de gente, e outras finezas mais.

Ria até ficar roxa. Tomava um gole de vinho branco, fingia cansaço e preparava para se despedir enquanto o convidado pedia a conta. Fazia menção de sacar o cartão, aceitava com protestos as insistências do comensal em pagar o repasto. Grata, retribuía: “Que noite agradável! Vamos tirar uma selfie para marcar a gentileza sua”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves