Pedro Páramo

pedropc3a1ramo-muertedepreciado

“Vim a Comala porque me disseram que aqui vivia meu pai, um tal Pedro Páramo.” Juan Preciado abre o romance explicando os motivos da sua viagem ao pueblo de sua finada mãe, Dolores Preciado. Ela, no leito de morte, urgiu ao filho buscar o que era dele por direito, tomado pelo pai, Pedro Páramo.

Pedro Páramo é um personagem imoral. Pai biológico de boa parte dos habitantes de Comala que Juan Preciado encontra, mas deixa a cidadezinha morrer de miséria quando o povo fica indiferente à morte de seu único amor, a amiga de infância Susana San Juan. Com violência e engano, Pedro Páramo fez sua vida. Casou com Dolores Preciado para herdar os bens do sogro credor para depois se livrar dela.

Com as corrupções dos poderosos, principalmente Pedro Páramo, Comala está morta. E seus habitantes também: perambulam pela cidade, sem consciência que já passaram desta vida, mas notando o fim alheio.

O autor com longo nome de hidalgo, Juan Nepomuceno Carlos Pérez Rulfo Vizcaíno (1917 — 1986), era filho de uma família de fazendeiros que perdeu sua fortuna durante e depois da Revolução Mexicana. Juan Rulfo cresceu órfão em vilarejos como a fantasmagórica Colima, antes de se estabelecer na capital. Trabalhou em vários serviços acompanhando engenheiros e antropólogos em campo, o que lhe permitiu conhecer o México profundo. Em 1962 passou a trabalhar no Instituto Nacional Indigenista (INI), onde foi editor de publicações. Orientou novos escritores e impressionou mestres como Jorge Luis Borges, Vargas Llosa e Gabriel García Márquez.

Era um escritor perfeccionista. Escrevia, re-escrevia e destruía seus manuscritos. Talvez jamais publicaria algo, se não fosse um amigo ter insistido na publicação da coletânea de contos O chão em chamas em 1953, e dois anos depois viria a público Pedro Páramo.

Nos contos retrata as arbitrariedades do poder e da violência. Os personagens são solitários, sem rumo e com famílias desregradas. A aridez e a pobreza são desesperadoras.  O romance seria um livro curto (as edições por pouco passam de uma centena de páginas) e seria sua última obra. Consagrou-se como autor do que seria chamado de realismo mágico ou realismo fantástico, empregando recursos estilísticos como fluxo de consciência, mudanças do ponto de vista e tempo não linear. Foi o suficiente para figurar entre os grandes autores da literatura latino-americana.

SAIBA MAIS

Juan Rulfo entre antropólogos

RULFO, Juan. Pedro Páramo. Madrid: Cátedra, 1983 [1955].

One thought on “Pedro Páramo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves