Dicotomias para melhorar o raciocínio

racionio críticoAlgumas dicotomias são verdadeiras ferramentas para o bem pensar.  Concebidas pela filosofia para uso na lógica, epistemologia e ontologia, elas elucidam o método científico, o raciocínio crítico e outros campos da vida. Constituem meios de raciocinar de forma clara e coerente, além de prevenir e remediar falácias.

A PRIORI E A POSTERIORI

Conhecida desde Euclides, Kant consagrou essa distinção para formas ou justificação do conhecimento relacionando-as com a experiência e razão.

  • A priori: conhecimentos ou juízos independentes de experiência sensorial, sendo inferido da razão somente. Por exemplo, 2×4=8.
  • A posteriori: conhecimentos ou juízos que dependem de experiência sensorial para serem validados. Por exemplo, a declaração “a maçã está na mesa da cozinha” só pode ser validada após verificar se de fato a maçã estiver na mesa da cozinha.

MÉTODOS DEDUTIVO E INDUTIVO

Essa distinção fundamental na lógica aristotélica serve para chegar a conclusões gerais a partir de premissas básicas.

  • Dedução: é partir do geral para o particular.  Raciocínio baseado em premissas gerais para determinar conclusões específicas. Por exemplo: P1 Todos os homens são mortais. P2 João é homem. Portanto, João é mortal.
  • Indução: é partir de premissas particulares para fazer generalizações. Por exemplo: P1 João é homem e mortal, P2 José é homem e mortal. Portanto, homens são mortais.

Além desses, há outro método de inferência, a abdução, a escolha de melhores premissas e suas relações para explicar uma conclusão.

QUALIDADE E QUANTIDADE

Parece bobo, mas alguém teve que conceituar essa diferenciação. Embora os gregos já utilizassem essa dicotomia como categorias dos seres, o romano Cícero propôs essa diferenciação analítica.

  • Quantidade: são os atributos mensuráveis de alguma coisa. Exemplos: massa e gradiente de cor de uma cereja.
  • Qualidade: são os atributos inerentes de alguma coisa. Exemplo: o sabor da cereja.

Em termos práticos, posso conhecer quantitativamente a taxa de desemprego de uma dada população e até correlacioná-las com outras variáveis, mas para conhecer como é o desemprego preciso lançar mão de métodos qualitativos (quem são, como interpretam suas condições e quais fatores afetam os desempregados). Ao combinar esses dois métodos, é possível formular possíveis causas.

ANÁLISE E SÍNTESE

Outro método da lógica aristotélica, a análise e síntese tornam questões complexas em simples.

  • Análise: seria dividir o Todo em pedaços menores para melhor estudá-lo. Um método clássico de análise é utilizar taxonomias, por exemplo,  as categorias ou classes de Aristóteles: substância, quantidade, qualidade, relação, lugar, tempo, estado, hábito, ação e paixão. Por exemplo, A maçã (ente) é (acidentes) fruta, de 100g, da macieira, encontrada no pomar, no outono, empilhada, madura, caindo para ser comida.
  • Síntese: é reunir ao menos dois elementos em um conjunto comum.  A criação de modelos, resumos, categorizações serve para aplicar a síntese. Por exemplo, uma sinopse de um livro: A Odisseia conta as aventuras da viagem do rei grego Ulisses à Ítaca após a guerra de Troia.

CLASSIFICAR E CATEGORIZAR

Parece ser uma diferenciação pernóstica, mas queira ou não, há diferenças nesses modos de taxonomias.

  • Categorizar: ordenar ou dividir fenômenos em conjuntos cujos atributos possuem alguma forma de similaridade. Por exemplo, um mesmo conjunto de livros pode ser ordenado por critérios de cores, títulos em ordem alfabética, ano de publicação e outros parâmetros que o ordenador estabelecer. As cores da pele são categorias clinais, ou seja, o tom e cor da pele são arbitrariamente categorizado em diferentes “cores, raças ou etnias”. A mesma amplitude de ondas de som é categorizada em diferentes escalas, como a pentafônica e a dodecafônica.
  • Classificar: ordenar ou dividir fenômenos de acordo com parâmetros pré-estabelecidos que um elemento só possa ser classificado como pertencente a uma única classe se adotado o mesmo critério sempre. A Classificação Decimal de Dewey e a Classificação Decimal Universal para livros, a taxonomia biológica de Lineu, os signos do zodíaco são exemplo de classificações discretas.

ANALOGIA E EXEMPLO

Ambas são ferramentas explicativas que apelam a ilustrações com elementos do universo comum dos interlocutores.

  • Analogia: é apresentar algo semelhante para ilustrar uma definição ou conceito. Planetas são corpos astronômicos sem luz própria que gravitam ao redor de uma estrela. Um planeta é como uma pedra ou uma bexiga ao redor de uma lâmpada.
  • Exemplo: é apresentar algo representativo para ilustrar uma definição ou conceito. Planetas são corpos astronômicos sem luz própria que gravitam ao redor de uma estrela. A Terra, Vênus, Júpiter são planetas do sistema solar.

DEFINIÇÃO E CONCEITO

São meios de delimitar objetos de inquirição.

  • Definições: redução verbal ou matemática que especifica um objeto, diferenciando-o dos demais. Um triângulo equilátero possui três lados iguais.
  • Conceitos: são descrições de um fenômeno e se esperam que fenômenos semelhantes caibam dentro do conjunto descrito pelo conceito. A pobreza é a escassez geral, carência, ou o estado de uma pessoa que carece de certa quantidade de bens materiais ou dinheiro.

COMPARAÇÃO E CONTRASTE

Um modo de estabelecer definições e conceitos é comparar similaridade ou contrastar diferenças.

  • Comparação: buscar elementos comuns entre dois conjuntos. Katheryn Elizabeth Hudson e Katheryn Elizabeth Hudson são duas celebridades homônimas nascidas na Califórnia.
  • Contraste: salientar elementos  diferentes entre dois conjuntos. Uma Katheryn Elizabeth Hudson é atriz e usa o nome Kate Hudson, a outra Katheryn Elizabeth Hudson é cantora e usa o nome Katy Perry.

HIPÓTESE E TEORIA

Essas abstrações não são dados empíricos, mas ideias para se aplicarem às generalizações.

  • Hipótese: é um modelo que propõe uma relação de causa e efeito ou correlação entre diversos elementos. A hipótese de que o mecanismo de Anticítera seja um computador analógico para observações astronômicas é plausível.
  • Teoria: é uma explanação descritiva, interpretativa ou normativa testável de um fenômeno ou de uma própria teoria. A teoria mecânica de Newton descreve e prevê o movimento dos corpos fundamentado em três leis (da inércia, da força e da ação-reação).

CONDIÇÕES NECESSÁRIA E SUFICIENTE

Servem para operações lógicos nas análises causais. NB: há quem use o termo CONTINGENTE como sinônimo para suficiente.

  • Condição Necessária: uma proposição que seria ou verdadeira ou falsa, mas sem ela, uma ação não pode ocorrer. É uma condição necessária para a chuva ter baixa pressão atmosférica. Entretanto, é uma condição necessária, mas não suficiente, pois pode cair a pressão e não chover.
  • Condição Suficiente: uma proposição não seria necessariamente verdadeira ou necessariamente falsa, mas depende de sua relação conectiva com outra proposição. Sem ela, uma ação pode ou não ocorrer. É uma condição suficiente que a alta umidade do ar levar a chover. É uma condição suficiente, mas não necessária, pois a umidade pode se precipitar também na forma de neblina, granizo e neve.

PROPRIEDADES ESSENCIAL E ACIDENTAL

Uma vez em mente as condições necessárias e suficientes, outra distinção lógica é bem importante:

  • Propriedade Essencial: qualquer propriedade de alguma coisa que se alterada, muda fundamentalmente esse objeto. É uma propriedade essencial de os vegetarianos não comerem carne.
  • Propriedade Acidental: são propriedades que podem ser mudadas sem afetar a existência do objeto. É uma propriedade acidental de os vegetarianos comerem somente frutas ou exclusivamente legumes.

FUNÇÃO E PROPÓSITO

Essa confusão é bem comum. Para ilustrar, vamos usar o martelo do filósofo Martin Heiddger.

  • Propósito: o objetivo designado para algum objeto. O martelo serve para martelar pregos e quebrar coisas.
  • Função: Os diferentes usos de um objeto além de seu propósito. O martelo serve como peso de papel, como símbolo em uma bandeira ou como arma letal.

CORRELAÇÃO E CAUSA

Uma relação bem confusa mesmo para cientistas experientes e largamente abusada por manipuladores de opinião. Para elucidar o que é causa, vale conhecer a teoria das quatro causas de Aristóteles.

  • Correlação: a alteração em uma variável afeta outras variáveis. O aumento do número de carros circulando é correlacionado ao número de motoristas habilitados.
  • Causa: uma correlação especial de causa e efeito. A ação de uma variável resulta em um efeito necessário em outra variável. O aumento do número de carros circulando resulta do aumento da produção automobilística.

One thought on “Dicotomias para melhorar o raciocínio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves