A antropologia da cadeia de suprimentos

A cadeia de suprimentos (supply chain, em inglês) é a integração de processos desde o fornecedor até o usuário final enquanto agrega valor aos produtos e serviços entregados. Assim, a funcionalidade efetiva de uma cadeia de suprimento depende da rede de intermediários e mediadores — normalmente estranhos entre si. As motivações dos atores em uma rede complexa de cadeia de suprimentos são diversas, então como uma cadeia de suprimento alcança um sucesso?  Talvez a antropologia possa esclarecer.

Tradicionalmente a antropologia econômica visa compreender a produção, distribuição, circulação e consumo de bens tangíveis e intangíveis. Focado em cadeias de suprimentos, a antropologia estuda-a como meio de circulação.

Embora a gestão de cadeia de suprimentos como disciplina administrativa é recente, originando-se da administração e da logística, a prática é antiga, como as notáveis cadeias de suprimentos como o escambo em sociedades ágrafas, a rota da seda, os radhanitas, o anel kula, a hawala e o dabbawala, dos quais faleremos em outras postagens.

Notavelmente, essas redes complexas de suprimento dependem de motivadores que transcendem os interesses individuais. Deste modo, uma análise psicológica, ou econômica de cada ator é inviável. Propostas reducionistas sobre a motivação coletiva de uma toda cadeia de suprimentos como “todo mundo sai ganhando”, reciprocidade e obrigação, mera relação de compra-e-venda entre cada indivíduo, ou coerção são não são plausíveis, pois os ganhos podem (e às vezes são) desiguais nem os compromissos (frequentemente) são honrados.

A teoria de ator-rede (Actor-Network theory) formulada pelos sociólogos Michel Callon e Bruno Latour serve para explicar as motivações coletivas em uma cadeia integrada de suprimentos. Latour afirma que a tecnologia é a sociedade feita duradora e em uma rede não é feita de meros nódulos (atores) e ligações, mas que os próprios atores são em si redes. A parte controversa desta teoria é que mesmo agentes não humanos assumem carácter de atores. A transmissão ocorre através da rede por meio de tradução/transformação na qual cada entidade dá um papel ao outro.

Depois dessa introdução teórica, em breve vou apresentar e analisar cada uma dessas notáveis cadeias de suprimentos com analogias aplicáveis em organizações globais contemporâneas.

VEJA MAIS

Despache sua criança pelos correios

Antropologia corporativa: suas aplicações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves