A gravura Flammarion

Uma das mais icônicas ilustrações da visão de mundo medieval é uma obra da modernidade.

O autor desta gravura é desconhecido. No entanto, apareceu pela primeira vez no livro L’atmosphère: météorologie Populaire (1888), do astrônomo francês Camille Flammarion (1842–1925).

Aparece no capítulo intitulado A forma do céu. A legenda diz “um missionário da Idade Média conta que encontrou o lugar onde o céu e a terra se tocam…”.

Na gravura, um homem ajoelhado, com trajes de peregrino — uma longa túnica, carregando um cajado na mão esquerda e de pé na beira da terra — atravessa a abóbada celeste. Sua cabeça, os ombros e o braço direito cruzam o firmamento estrelado do céu e vê além dele um mundo fantástico de nuvens, fogos e sóis. Aparece o ofanim, a roda dentro de uma roda, conforme descrito em uma visão do profeta bíblico Ezequiel 1:15-21.

O sol e a lua estão sob a abóbada terrestre, ou o firmamento. Uma árvore solitária (a árvore da vida?) está atrás do peregrino. No fundo da Terra, vemos várias cidades às margens de lagos.

Para além da abóbada, há vários sóis, camadas de esferas cristalinas, uma possível representação da esfera empírea, além do mencionado ofanim. Notoriamente não aparece a esfera Primum Mobile, a última camada móvel do universo, sinalizando que a limitação da perspectiva humana.

Essa ilustração, ainda que do século XIX, resume a cosmovisão dominante no Ocidente cristão até a modernidade. Era uma síntese dos pensamentos de Aristóteles de Ptolomeu com interpretações tardias da Bíblia, além de relatos de viagens astrais. A terra não seria exatamente um planeta (o termo hebraico eretz não dava nome ao nosso planeta, mas significava terra firme ou solo), mas o centro do universo aonde todos os objetos se direcionariam. Várias camadas sólidas concêntricas serviriam de trilhos ou tinham em si encrustadas os astros. A raqqia, o termo hebraico para abóbada ou firmamento, não era o céu, mas um domo metálico ou cristalino que separava nosso céu visível dos céus superiores.

Havia outras cosmologias pré-modernas, como a de Cosmas Indicopleustes, mas essa gravura de Flammarion representa bem a perspectiva dominante por um milênio até a revolução copernicana.

Flammarion trabalhou no Observatório Juvissy, ao sul de Paris, e escreveu vários livros sobre ciência popular. Durante sua juventude, ele foi aprendiz de gravadores, então é provável que ele tenha feito ou supervisionado a gravura para esta ilustração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Um site WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: