O unicórnio no jardim

The Unicorn in the Garden

Era uma vez uma manhã ensolarada. Um homem estava sentado em uma copa, tirou os olhos de seus ovos mexidos e viu um unicórnio branco com um chifre dourado ruminando silenciosamente as rosas no jardim. O homem foi até o quarto onde sua esposa ainda dormia e a acordou.

“Há um unicórnio no jardim”, disse ele. “Comendo rosas.” Ela abriu um olho hostil e olhou para ele.

“O unicórnio é um animal mítico”, disse ela e lhe deu as costas. O homem desceu lentamente as escadas e saiu para o jardim. O unicórnio ainda estava lá. Agora desfolhava as tulipas.

“Aqui, unicórnio”, disse o homem quando arrancou um lírio, dando-lhe. O unicórnio comeu sobriamente. Com o coração palpitando, porque havia um unicórnio em seu jardim, o homem subiu as escadas e despertou novamente a esposa.

“O unicórnio”, disse ele, “comeu um lírio.”

Sua esposa sentou-se na cama e olhou para ele com frieza.

“Você é um tapado”, disse ela, “e vou mandar colocá-lo numa camisa-de-força.”

O homem — que nunca gostou das palavras “força” e “camisa-de-força” — gostou ainda menos delas em uma manhã ensolarada quando havia um unicórnio no jardim.

“Veremos sobre isso”, disse ele. Ele caminhou até a porta. “Ele tem um chifre de ouro no meio da testa”, disse a ela. Depois voltou ao jardim para observar o unicórnio, mas o unicórnio havia sumido. O homem sentou-se entre as rosas e adormeceu.

Assim que o marido estava fora de casa, a esposa levantou-se e vestiu-se o mais rápido que pôde. Estava muito animada e havia alegria em seus olhos. Telefonou para a polícia e para um psiquiatra. Disse-lhes que corressem para sua casa e trouxessem uma camisa-de-força. Quando os policiais e o psiquiatra chegaram, sentaram-se nas cadeiras e olharam para ela com grande interesse.

“Meu marido”, disse ela, “viu um unicórnio esta manhã.” Os policiais olharam para o psiquiatra e o psiquiatra olhou para os policiais. “Ele me disse que comeu um lírio”, disse ela.

O psiquiatra olhou para os policiais e os policiais olharam para o psiquiatra. “Ele me disse que tinha um chifre dourado no meio da testa”, disse ela. A um sinal solene do psiquiatra, os policiais saltaram de suas cadeiras e seguraram-na. Eles tiveram dificuldade em controlá-la, pois ela enfrentou-os em uma luta terrível, mas eles finalmente a controlaram. Assim que a colocaram na camisa-de-força, o marido voltou para dentro de casa.

“Você disse a sua esposa que viu um unicórnio?” perguntou o policial.

“Claro que não”, disse o marido. “O unicórnio é um animal mítico.”

“Isso é tudo que eu queria saber”, disse o psiquiatra. “Leve-a embora. Sinto muito, senhor, mas sua esposa é tão louca quanto um cuco.”

Então eles a levaram embora, xingando e gritando, e a trancaram em uma instituição. O marido viveu feliz para sempre.

Moral: Não conte seus passarinhos até que sejam chocados.


Esta fábula foi escrita pelo cartunista e humorista James Thurber (1894 –1961). Thurber perdeu a visão em decorrência de um acidente durante uma brincadeira quando criança. Com sua imaginação vívida produziu ensaios, cartuns e contos admiravelmente mágicos. “The Unicorn in the Garden” foi publicado pela primeira vez na The New Yorker em 31 de outubro de 1939. Em 1953, foi ambientado em um curta-metragem de animação por William T. Hurtz.

ORIGINAL EM INGLÊS

http://english.glendale.cc.ca.us/unicorn1.html

Uma resposta para “O unicórnio no jardim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves