Marginália

Por vezes um livro é tido como um objeto sagrado, cujas páginas não podem ser maculadas. Por outro lado, o ser humano sempre descobre funcionalidades de meios de comunicação debaixos dos olhares censuradores.

As margens de um manuscrito latino do século IX de um comentário de Cassiodoro sobre os Salmos contém este curioso bate-papo em gaélico irlandês entre dois monges copistas em algum monastério da Europa continental.

Dá para imaginar no silêncio do escritório dos copistas dois monges repassando a mesma folha:

“Está frio hoje.”

“Isso é natural: é inverno.”

“A lâmpada tá com uma luz ruim.”

“É hora de começarmos a fazer algum trabalho.”

“Bem, este pergaminho está bem pesado!”

“Bem, eu chamo esse pergaminho de fino!”

“Sinto-me bastante desmotivado hoje. Não sei o que há de errado comigo”.

Certamente, quando o monge supervisor verificasse o trabalho deles e notasse essas anotações, iriam responder candidamente que eram glosas eruditas.

A preguiça move o mundo.

FONTE

Kuno Meyer, “Neu aufgefundene akirische Glossen,” Zeitschrift fiir celtische Philologie, viii (1912), pp. 173-7. Citado em Metzger, Bruce M.; Ehrman, Bart D. The Text of the New Testament: Its Transmission, Corruption, and Restoration. 4a ed.; Oxford: Oxford University Press, 2005, p. 32.

VEJA TAMBÉM

Nada de novo nos bancos escolares

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

About leonardomalves