Dois romances lisboetas

TABUCCHI, Antonio. Afirma Pereira. Lisboa: Quetzal, 1998.

MERCIER, Pascal. Trem noturno para Lisboa. Rio de Janeiro: Record, 2009. Publicado originalmente em alemão em 2004.

Dois romances paralelos. Ambientados no Portugal salazarista, mostram o lado humano da resistência diante do autoritarismo, foram escrita por estrangeiros lusófilos, viraram filmes, retratam reconciliações com o passado e com os mortos…wp-1482344515743.jpg

O alienado Sr. Pereira é um jornalista a envelhecer-se sem grandes emoções. Escreve a seção cultural de seu jornal vespertino. Sua vida sem graça resume-se em morar sozinho, falar com o retrato da esposa morta, a tomar limonada e comer omelete no Café Orquídea.

Não era de se esperar alguma atitude heroica desse corpulento e passivo literato na Lisboa de 1938. Escrito como um extenso depoimento policial, a locução discendi “afirma Pereira” povoa o texto. O relato de Pereira é sobre o jovem militante Monteiro Rossi a quem oferece emprego escrevendo obituários antecipados de escritores célebres. O recém-formado filósofo Rossi escreve em um tom demasiadamente perigoso em tempos de censura. Pereira se surpreende envolvendo-se mais com a causa antifascista.

wp-1482344312302.jpg

Outro protagonista de meia-idade, o filólogo e professor secundarista Raimund “Mundus” Gregorius também leva sua vida pacata na Suíça. Como Pereira não tem esposa (divorciado),  nem filhos. O marasmo é interrompido quando salva uma misteriosa mulher de pular de uma ponte. Decide encontra-la, tendo como referência um livro de poesia escrito pelo médico  Amadeu de Prado (um amante da liberdade  como o dr.Cardoso da obra de Tabucchi) durante o regime de Salazar. Gregorius deixa a escola, para espanto de todos que o conhecem, e parte para Lisboa. Na cidade descobre que Amadeu de Prado havia participado da resistência antes de morrer. Começa a investigar as circunstâncias e revela um triângulo amoroso. Porém, o foco do livro é o ato de coragem diante da opressão.

Ambas as obras político-existenciais tiveram sucesso. Viraram filmes, um estrelado por Marcello Mastroianni e outro por Jeremy Irons. Receberam críticas elogiosas. Foram traduzidas para múltiplas línguas. Tabucchi ganhou prêmios. Sua obra irritou a populistas e reacionários quando publicada, bem no auge da aventura política de Berlusconi.

Apesar das similaridades, não dá para dizer que um romance se inspirou noutro. Exceto que as vidas dos autores parecem que foram reciprocamente plagiadas. Como Gregorius, Antonio Tabucchi (1943-2012) era um filólogo, trabalhou de tradutor e professor que rumou para Portugal. Como Pereira, o filósofo acadêmico Peter Bieri (n.1944) cultiva uma paralela vida de literato, só que com o pseudônimo Pascal Mercier.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

About leonardomalves